O traje mais característico do verão necessita de algumas atenções especiais para se manter em bom estado, preservando-se, assim, até a próxima temporada

O verão está aí e com ele chegou também o momento de tirar do guarda-roupa aquela que é considerada a peça favorita de todas as amantes do calor: o aclamado biquíni.

Seja para ir à praia, à piscina ou simplesmente pegar um bronzeado, a escolha pelo look é sempre bem-vinda. Apesar da versatilidade, contudo, alguns cuidados são necessários para a manutenção dessa peça — afinal, esse queridinho não precisa durar apenas uma estação do ano.

As precauções, mesmo que simples, devem ser adotadas antes e após o uso e, para isso, é preciso se atentar à lavagem, tipo de tecido, armazenamento e conservação. Assim, ao final de março seu biquíni estará com a cor e o tecido preservados, podendo ser utilizado em muitos verões futuros.

Necessidade de cuidados complementares

Geralmente, o desgaste das roupas de praia são ocasionados pelo próprio uso, pois essas peças, além de muito manuseadas, entram em intenso contato com o Sol, água salgada, cloro, areia, protetor solar, bronzeador, etc.

Todos esses fatores, portanto, são responsáveis por reduzir a vida útil de um biquíni. Uma lavagem realizada de maneira errada, por exemplo, já é motivo suficiente para, posteriormente, guardar a peça com resquícios de sal e partículas de areia, danificando-a facilmente.

Selecionamos, então, algumas dicas e truques que vão ajudar você a manter aquela sua peça predileta em ótimo estado por mais tempo:

Antes da lavagem

O primeiro passo é remover totalmente os fragmentos remanescentes, sobretudo a areia, uma vez que ela é bastante abrasiva, ou seja, possui aspectos que arranham e danificam o tecido da peça.

Além disso, o simples fato de deixar toda a areia na roupa já é uma dificuldade a mais para a realização da lavagem. Assim, para retirar todas as impurezas, principalmente as de dentro do forro, é preciso fazer uma limpeza prévia, ainda a seco — boas sacudidas e um pano úmido podem resolver essa questão.

Seguidamente, deixe as partes de molho por alguns minutos, utilizando, por fim, água corrente para tirar todos os resíduos que ainda ficaram presos.

Escolha o produto certo

Para a lavagem completa, utilize sabão neutro ou detergente líquido, tomando cuidado para não usar produtos que manchem o tecido.

Após ensaboar, enxágue as peças, novamente, em água corrente, atentando-se em tirar todo o produto empregado para a limpeza.

Lavagem só na mão

A lavagem à mão é, de longe, a maneira ideal de lavar as roupas de praia, pois ela possibilita uma higienização mais específica. Além disso, as máquinas, por seguirem um mesmo padrão de limpeza, acabam fazendo um processo mais agressivo, desgastando — e até mesmo desfiando — os tecidos.

O restante do “conjunto praia”: toalha, camiseta, shorts, canga, etc. pode tranquilamente ir para a máquina, sendo preciso apenas se certificar de que a areia tenha sido removida inteiramente.

Processo de secagem

Após lavar o biquíni é preciso estendê-lo para secar. Porém, antes, é essencial torcer as peças separadamente, tendo bastante cautela ao fazê-lo, pois a intenção é retirar o excesso de água, não romper costuras e alargar elásticos. Caso seja necessário, repita o processo uma ou duas vezes a mais.

Na hora de pendurar as roupas, procure um lugar na sombra — inclusive, essa dica é válida para qualquer peça delicada. Assim, as cores vivas são conservadas — não queimam com os raios solares —, evitando o desbotamento.

Vale ressaltar que o mais indicado é pendurar o bíquini pelas partes costuradas, impossibilitando a marcação e o afrouxamento do tecido.

Atenção: jamais seque as peças com ferro de passar, pois o procedimento, devido ao material base, acaba completamente com o pano.

Guardando o biquíni

Depois de seco, o biquíni deve ser dobrado de maneira regular, sem ser esticado ou embolado. Desse modo, evita-se um esforço desnecessário das fibras que compõem o tecido, além, é claro, de impedir vincos, marcações e deformações na peça.

Para finalizar, certifique-se de que o biquíni esteja realmente seco antes de guardá-lo, pois, caso eles não sejam utilizados nos próximos meses, cria-se um ambiente favorável para a proliferação de fungos, como mofo.