Mudança proporcionará mais segurança e melhores condições de armazenamento dos medicamentos

A Central de Abastecimento da Saúde ganhará novo endereço, ainda neste semestre. A unidade da Prefeitura de Hortolândia que funciona na avenida Olívio Franceschini mudará para um galpão no Celog (Centro de Logística), no Jardim São Bento, às margens da Rodovia dos Bandeirantes. A medida garantirá mais segurança, uma vez que a entrada ao complexo é monitorada com portarias. Outro benefício é quanto à estrutura do galpão. O novo prédio terá sistema de climatização ideal para manter o estoque de medicamentos protegido das variações de temperatura ambiente. Além disso, medicamentos que necessitam de refrigeração terão uma câmara fria específica. Hoje, estes itens são condicionados em geladeiras.

O galpão, que tem mil metros quadrados, passou por vistoria nesta semana. Equipes técnicas da Secretaria de Saúde verificaram quais adequações são necessárias para viabilizar a mudança o quanto antes. Os medicamentos armazenados na Central de Abastecimento são distribuídos gratuitamente entre as unidades de saúde do município. As farmácias existentes nas UBSs (Unidades Básicas de Saúde) fazem a dispensação dos remédios ao paciente, conforme prescrição médica. Além disso, a Central também abastece as demais unidades de saúde com materiais de enfermagem e medicamentos, para uso ambulatorial. Cerca de dois mil itens fazem parte do estoque municipal, entre medicamentos, material de enfermagem, rouparia hospitalar, uniformes de equipes da saúde e outros produtos.

De acordo com a gerente da Divisão da Secretaria de Saúde, Elizabeth Matos, todos os itens serão guardados na vertical, por meio de pallets de plástico específicos para esta finalidade, otimizando o espaço dentro do galpão. Além disso, produtos de enfermagem e medicamentos terão estoques separados. “Já os medicamentos controlados serão armazenados numa sala especial, trancada, conforme recomenda a legislação”, afirmou Elizabeth.

Economia

A locação do galpão no Celog faz parte das ações da Prefeitura para redução de gastos com aluguéis. Desde o início do ano, a Administração municipal já diminuiu de 58 para 37 o número de imóveis locados, o que representa uma economia de R$ 2 milhões ao ano.

Para reduzir as despesas com aluguel, a Prefeitura entregou imóveis com valores de locação considerados altos e levou os serviços para prédios próprios da Administração, que estavam desocupados. Outra medida foi juntar vários serviços num único imóvel. Este é o caso do Celog, que além de abrigar a Central de Abastecimento da Saúde num galpão, terá outro espaço para três almoxarifados da Prefeitura.