Com a chegada da temporada de ventos na região, uma divertida brincadeira alegra crianças e jovens. Nos dias de Outono, é comum ver pipas colorindo os céus da cidade, em diversos parques e áreas verdes, dentre eles os parques socioambientais Chico Mendes, no Remanso Campineiro, e o Lago da Fé, na região entre os bairros Parque das Figueiras, Jd. Novo Cambuí, Jd. Flamboyant, Pq. Gabriel, Jd. Nova Alvorada e Jd. Santa Fé.

Para evitar acidentes graves, com risco de morte, a Prefeitura de Hortolândia alerta sobre os perigos do uso do cerol e de outras substâncias cortantes nos cordões usados para empinar papagaios. É que a mistura cortante do cerol, feita a base de cola e vidro moído, é capaz de cortar não somente o fio de outra pipa no ar, mas também de produzir graves lesões em ciclistas, motociclistas e pedestres que entrem em contato com ela.

O uso de cerol é proibido no município e pode render multa de R$ 100 aos praticantes e seus responsáveis, se flagrados por agentes da Guarda Municipal. É o que prevê o decreto 4.504, de 10/07/2020, que regulamentou a lei 1059, de 19/04/2002. A mesma lei proíbe a venda desses artigos a menores de 18 anos. Dados do Núcleo Estratégico da GM mostram que, após a regulamentação da lei, foram emitidas 22 multas, entre julho e novembro do ano passado. Neste ano, ainda não há registro de novas ocorrências.

A fim de instruir crianças e jovens de Hortolândia, o assunto é trabalhado com alunos dos quintos anos da rede municipal, por meio do projeto “Bem Me Quer Paz Se Quer”, realizado pelas secretarias de Segurança e de Educação, Ciência e Tecnologia, desde 2008. Este é um dos temas enfocados na aula “Cheiro de Confusão”, que aparece no livro tema do projeto.

Segundo a Secretaria de Segurança, a lei, regulamentada, permitiu a aplicação das multas, o que trouxe um bom resultado, contribuindo com a redução do uso de cerol, assim como a ação preventiva junto aos estudantes.

Este artigo foi enviado pela Prefeitura de Hortolandia