A fim de auxiliar quem está na cidade em situação de rua, nestes dias de inverno, com temperaturas que atingem nove graus Celsius na madrugada, a Prefeitura de Hortolândia realiza, a partir desta quarta-feira (10/07), a Operação Inverno. Três equipes, compostas por assistente social, psicólogo, motorista e pessoal de apoio, percorrerão a cidade para oferecer acolhimento provisório a homens e mulheres que vivem pelas ruas da cidade. Levantamento feito pela Secretaria de Inclusão e Desenvolvimento Social aponta que há cerca de 30 pessoas nesta situação, atualmente, em diversas regiões da cidade, tais como Centro, Jd. Amanda e Jd. Rosolen.

O acolhimento de quem aceitar o serviço voluntário será feito, por enquanto, no Instituto Esperançar, entidade social parceira da Prefeitura, localizada na Rua Francisco Guimarães de Oliveira, 40, no Remanso Campineiro. Lá, homens e mulheres poderão tomar banho e fazer duas refeições (jantar e café da manhã), receberão produtos de higiene pessoal, agasalho e cobertor, além de colchão para passar a noite aquecidos e seguros. Um diferencial é que será permitido levar o animal de estimação até o local. Porém, será necessário seguir regras, dentre elas não portar armas brancas, não ingerir bebidas alcoólicas nem drogas, nem estar em conflito com a lei.

Segundo o secretário de Inclusão e Desenvolvimento Social, Régis Athanázio Bueno, além de acolher estas pessoas em vulnerabilidade social durante os meses de frio, a Administração Municipal busca atualizar o cadastro de pessoas em situação de rua, encaminhá-las a serviços públicos de assistência social e saúde pública, tais como CAPs (Centros de Atenção Psicossocial), CRAS (Centro de Referência de Assistência Social), CREAS (Centro de Referência Especializado de Assistência Social), emissão de cartão cidadão e documentação pessoal, adesão ao programa Bolsa Família, dentre outros, e sempre que possível, reestabelecer laços afetivos, recambiando-as a eventuais núcleos familiares. “Queremos que estas pessoas possam viver dignamente, aqui ou na cidade de origem. O objetivo principal é este: oferecer uma condição digna a estas pessoas, para que possam ser tratadas com mais respeito e dignidade. Mas também conscientizá-las de que podem ter um futuro, retornar à família, e a Prefeitura está disposta a fazer todo este preparo de retorno à família, inseri-las nos programas sociais para que elas tenham um mínimo de condições de se reinserir na sociedade e não viver mais em situação de rua. É claro que isso é uma adesão voluntária, mas o trabalho de conscientização será feito por profissionais da área de assistência social e da psicologia”, afirma o secretário.

O acolhimento, provisório, será feito no Instituto Esperançar até que fique pronta a obra de reforma e adequação de espaço próprio, no Jd. Novo Estrela, onde será implantado o primeiro Albergue Municipal.

Rede de solidariedade

A Prefeitura aceita doações voltadas aos abrigados. Quem quiser auxiliar poderá doar colchões e cobertores em bom estado, produtos de higiene pessoal (escovas de dente, creme e fio dental, pentes ou escovas de cabelo, toalhas de rosto, sabonete, xampu e condicionador) diretamente ao Instituto Esperançar, das 18h às 7h, ou ao Funsol-Hortolândia (Fundo de Solidariedade), que funciona dentro do HORTOFÁCIL, na Região Central. Também será aceita a presença de voluntários que desejem preparar refeições ou mesmo conversar e realizar atividades de lazer junto aos abrigados.

Este artigo foi enviado pela Prefeitura de Hortolandia

Artigo anteriorEMS abre as portas para Turismo Industrial da Prefeitura de Hortolândia
Próximo artigoTrês mulheres foram detidas na PIII de Hortolândia