Chris Pratt, o herói em questão nesta ficção científica chamada A Guerra do Amanhã tem em seu currículo enormes franquias como Guardiões da Galáxia e Jurassic World. Mas queria se distanciar delas, talvez para que seu nome não fosse lembrado apenas por estes dois últimos títulos mencionados acima.

            E um dos problemas está justamente aí. Fica impossível desassociá-lo de Star Lord e de Owen Grady.

Mas calma que vem mais!

O espectador pouco se importa com o laço afetivo e familiar criado e 99% dos coadjuvantes abraçam os estereótipos mais irritantes do cinema. Dentre os nomes estão Yvonne Strahovski (The Handmaid’s Tale), Sam Richardson (Caça Fantasmas) e Mary Lynn Rajskub (a Chloe do seriado 24 Horas).

São mais de duas horas de um roteiro que quer ser muito maior do que realmente é, criando passagens desnecessárias e reviravoltas manjadas. Aaaaah aquele terceiro ato tão chato.

Os pontos positivos vão para o design dos alienígenas e a atuação descontraída do veterano J. K. Simmons (de Homem Aranha). Mas é pouco para um título que, ao que tudo indica, quer angariar sequências e expandir o universo.

            Assista ao trailer e não precisará perder seu precioso tempo em um exemplar genérico.

SINOPSE DE A GUERRA DO AMANHÃ:

Em 2051, a humanidade está perdendo uma batalha global contra uma espécie mortal de alienígenas. Para garantir a sobrevivência dos humanos, soldados e civis do presente são transportados para o futuro e se juntam à luta. Entre eles está Dan Forester, um pai de família e ex-veterano de guerra (que conveniente, hein!) determinado a salvar o mundo.

Artigo anteriorGuarani vence e Ponte Preta se mantém na zona do rebaixamento da série b
Próximo artigoInverno favorece aparecimento de doenças oculares