21 de maio de 2024
Saúde & Beleza

Diástase afeta 30% das mulheres

fita_metrica-mulher

A diástase abdominal, rompimento anormal dos músculos retos abdominais, é um quadro que atinge cerca de 30% das mulheres. Ocorre principalmente durante a gravidez, quando há um estiramento natural da musculatura para dar mais espaço ao bebê.

O cirurgião plástico Samir Eberlin, membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, explica que essa distensão dos músculos provoca uma espécie de deformação estética do abdômen e o surgimento de uma protuberância vertical. Além do incômodo estético, a diástase também pode causar outros desconfortos, como dores nas costas, dores nas pernas e até dificuldade para andar.

“O músculo reto abdominal trabalha como duas grandes cintas que dão suporte à região anterior do abdômen. Quando estes dois músculos se distanciam, a área entre elas perde a sustentação e a barriga acaba ficando deformada”, explica.

O médico esclarece que há diferentes níveis de diástase e o tratamento depende da gravidade de cada diagnóstico. Quando o afastamento dos músculos é menor que quatro centímetros, por exemplo, o tratamento pode ser feito com fisioterapia e exercício físico. Mas se o estiramento é maior, é comum a indicação de uma cirurgia para unir os dois lados.

A abdominoplastia é o tipo de cirurgia plástica indicada para os casos crônicos de diástase. “Durante o procedimento, os músculos são reaproximados e amarrados. Se houver necessidade, a paciente pode aproveitar a cirurgia para reduzir gordura localizada e eliminar excesso de pele, flacidez e estrias”, comenta o cirurgião plástico.

A gestação é uma das principais causas da diástase, mas outros fatores também podem levar ao problema, como falta de fortalecimento dos músculos abdominais em mulheres acima de 35 anos, aumento brusco de peso, exercício abdominal muito intenso ou levantamento excessivo de peso.

Entre os homens, a situação ocorre, principalmente quando há concentração de gordura em excesso na região abdominal, associado com distensão progressiva, o que provoca deformidade na parede abdominal.

Lei Proibida a reprodução total ou parcial, sem autorização previa do Portal Hortolandia . Lei nº 9610/98