Um casal de irmãos moradores no bairro Novo Cambuí, em Hortolândia, foi preso por policiais civis de Campinas, no último dia 4, suspeitos de integrarem uma quadrilha especializada em ataques na alça de acesso à Rodovia D. Pedro I, em Campinas. Um amigo deles, que também mora no mesmo bairro, está foragido. Os irmãos foram presos temporariamente.

A prisão foi realizada por agentes do 12º Distrito Policial (DP), em Sousas, que investiga a ação do grupo. Os irmãos, uma moça que trabalha de atendente em uma farmácia da cidade, de 27 anos, e um rapaz que disse trabalhar como motorista de aplicativo, de 25 anos, estão sendo investigados após o amigo deles, que está foragido, ser reconhecido por uma servidora pública federal de 36 anos que foi rendida por criminosos no dia 23 de abril passado.

A vítima, que está traumatizada, estava com suas duas filhas, uma de 11 meses e outra de cinco anos, em um Honda Fit.

Elas foram atacadas a noite quando acessava a alça de acesso, próximo a empresa Leroy Merlin. Os criminosos chegaram a atirar em direção à vítima, que foi rendida e feita refém com as filhas. Um dos disparos acertou o carro da mulher.

Durante a ação, os criminosos arrancaram os brincos das crianças e fizeram saques através do sistema Pix. A mulher e as filhas ficaram duas horas reféns dos criminosos.

De acordo com os policiais, ao menos cinco suspeitos desta quadrilha já foram presos e outros cinco estão foragidos. Os agentes descobriram que o bando tem ramificações, além de Campinas, em São Paulo e Hortolândia – os três identificados são da cidade vizinha.

Eles agem sempre da mesma forma: ficam na região do acesso à rodovia, usam carros diversificados para despistar, muitas das vezes chegam a atirar para coagir a vítima, dois dos criminosos ficam no carro da vítima, pegando senhas e fazendo transferência de valores – usam até máquinas de débitos – e depois abandonam a vítima em local ermo e distante da área urbana.

A prisão dos novos suspeitos aconteceu no último dia 4, mas só foi divulgada agora. Foram apreendidos na casa deles, celulares e máquinas de cartão. A polícia suspeita que a moça seja a responsável por fornecer as máquinas de débitos para a quadrilha. As investigações prosseguem.

Por Alenita Ramirez, Colaboração para o Portal de Hortolândia