Repasses foram feitos para Sumaré, Hortolândia, Nova Odessa, Artur Nogueira, Engenheiro Coelho e Santo Antonio de Posse

O Governo do Estado de São Paulo, por meio da Secretaria de Desenvolvimento Regional, contabilizou no primeiro quadrimestre de 2021 o montante de R$ 4.598 milhões em repasses para prefeituras da RMC (Região Metropolitana de Campinas).  Foram 18 convênios para seis municípios em obras de infraestrutura urbana.

“Temos trabalhado para atender todas as regiões do estado. Repassamos só em abril R$ 30 milhões para obras de infraestrutura urbana, recursos importantes para atender as necessidades da população paulista. Vamos continuar repassando mais verbas ao longo de 2021, além de firmar novos convênios para atender todos os 645 municípios paulistas”, afirma o secretário de Desenvolvimento Regional, Marco Vinholi. “São obras importantes para o desenvolvimento e a melhoria de vida de toda a população paulista, além de movimentar a economia, no setor da construção civil e contribuir na geração de emprego e renda,” completou.

Os investimentos têm como destino obras de infraestrutura urbana, que agregam serviços como pavimentação asfáltica, construções, revitalização de praças públicas, recapeamento asfáltico, iluminação pública, entre outros. Todas as 16 regiões administrativas do estado tiveram pelo menos um município contemplado com verba de infraestrutura. Os serviços têm o objetivo de atender demandas municipais que são aguardadas pela população e prefeituras.

Na RMC, no primeiro quadrimestre deste ano, Sumaré foi a cidade que mais recebeu recursos da Secretaria de Desenvolvimento Regional: R$ 2.341 milhões referente a quatro convênios. Também foram contemplados os seguintes municípios: Hortolândia (R$ 1.615 milhão); Santo Antonio de Posse (R$ 150 mil); Engenheiro Coelho (R$ 84,7 mil); Artur Nogueira (R$ 91,8 mil) e Nova Odessa (R$ 375,7 mil). “Apesar do momento delicado que vivemos, estamos trabalhando para não deixar nenhuma obra paralisada. O objetivo é melhorar a qualidade de vida da população de São Paulo e da Região Metropolitana de Campinas,” explicou Vinholi.