O Estado de São Paulo atravessa, desde março, um forte período de estiagem. Para manter o abastecimento de água em Hortolândia, a Prefeitura, em parceria com a Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo) realiza investimentos que garantem a distribuição regular de água em todo o município. De acordo com a Estatal, a cidade conta, atualmente, com 19 reservatórios locais de água ativos. Esta ação contribui para a manutenção do abastecimento, uma vez que, com a reservação no município, a falta do recurso nas torneiras é menos frequente, mesmo em períodos de escassez de chuva. No entanto, a colaboração da população para o uso consciente da água é cada vez mais necessária, pois a falta de chuva por várias semanas pode afetar o armazenamento local.

A água que abastece Hortolândia vem do Rio Jaguari, de um ponto de captação há 20 quilômetros, localizado em Paulínia. A água bruta é tratada na ETA (Estação de Tratamento de Água), localizada no Jd. Boa Esperança. De lá, a água é distribuída para reservatórios espalhados por vários bairros da cidade. Porém, sem previsão de grande volume de chuva nos próximos dias e com a chegada do período de estiagem, o uso consciente da água é a melhor maneira para proteger a água, importante recurso natural.

A Sabesp também é parceira da Prefeitura em ações de conscientização para o uso racional da água. Segundo o órgão Estadual, simples ações no dia a dia contribuem para o enfrentamento deste período. Já a Administração Municipal, por meio da Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, possui uma equipe de Educação Ambiental, que realiza atividades de conscientização para o uso adequado da água. O trabalho da equipe consiste em levar informações ambientais para a população, como a questão da água, o problema das queimadas, o descarte correto de resíduos sólidos entre outros temas.

Já o município dispõe da lei 3.157/2015, que disciplina o uso racional de água. Nela, a Prefeitura poderá decretar Estado de Desabastecimento em caso de risco de desabastecimento de água distribuída. De acordo com a lei, cabe à Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo) apresentar documentação técnica que comprove o problema.

Para evitar chegar a este ponto, os reservatórios locais têm papel fundamental. “Foram muitos anos de investimentos da Prefeitura e da Sabesp que, com a parceria, fazem Hortolândia se manter abastecida mesmo nos períodos de crise hídrica. Além disso, empreendimentos que investiram na cidade também contribuíram com a contrapartida, seguindo diretrizes do Plano Diretor Municipal, que exige a construção de reservatórios próprios para a garantia de abastecimento”, explica o secretário de Planejamento Urbano e Gestão Estratégica, Carlos Roberto Prataviera Júnior. 

Confira abaixo os reservatórios ativos em Hortolândia:

Jardim Nossa Senhora Auxiliadoria (dois)

Jardim Amanda (quatro)

Jardim Santa Izabel (dois)

Jardim Novo Ângulo

Jardim Campos Verdes (dois)

Jardim São Sebastião

Parque do Horto

Jardim São Bento

Jardim Santiago

Parque Olívio Franceschini (dois)

Jardim São Felipe (dois)

Este artigo foi enviado pela Prefeitura de Hortolandia

Artigo anteriorAcesso entre o Jd. Minda e Nova Hortolândia estará interditado para obras à partir desta quarta (16/06)
Próximo artigoAzul prevê contar com mil postos de trabalho para seu hangar de Viracopos até 2024