13 de junho de 2024
Nossa Cidade

Hortolândia é destaque em seminário internacional realizado no MEC, em Brasília

Comissão da Secretaria de Educação, Ciência e Tecnologia apresentou, nesta terça-feira (28/06), projeto Escola-Outra, realizado em parceria com a UFSCar (Universidade Federal de São Carlos)

A experiência de Hortolândia na Educação foi destaque, na tarde desta terça-feira (28/06), durante o seminário internacional “Mentoria de Diretores Escolares: troca de saberes e experiências entre pares”, realizado no MEC (Ministério da Educação), em Brasília. O evento foi promovido pela UFSCar (Universidade Federal de São Carlos), instituição pública de ensino superior parceira da Prefeitura, e pela SEB (Secretaria de Educação Básica) do MEC, a fim de fomentar debates e reflexões entre os diretores participantes para que possam, por meio do compartilhamento de experiências e práticas, destacar a importância da atuação destes para a educação básica no Brasil. 

Um dos destaques do seminário, o Prof. Dr. Bernard Charlot, professor emérito da Universidade Paris 8, na França, e voluntário da UFS (Universidade Federal de Sergipe), participou das discussões no primeiro dia, abordando o tema “Educação ou barbárie: o ensino entre a aventura humana e a prática quotidiana”. Cerca de 180 diretores e representantes de secretarias dos 26 estados brasileiros e do Distrito Federal participaram das discussões. O evento enfoca um dos projetos da Ufscar, o de Mentoria de Diretores, desenvolvido com o Ministério.

Na mesa intitulada “Por uma Escola-Outra: os saberes da escola em ação”, o secretário de Educação, Ciência e Tecnologia de Hortolândia, Fernando Moraes falou sobre uma das vertentes do projeto “Escola-Outra”, realizado em parceria com a UFScar desde 2020: o das escolas pólo: a Emei (Escola Municipal de Educação Infantil) Residencial São Sebastião II e a Emef (Escola Municipal de Ensino Fundamental) Helena Futava Takahashi, no Jd. Campos Verdes. Idealizador do projeto, que engloba também pesquisa e formação, o Prof. Dr. Flávio Caetano da Silva, da Ufscar, participou da mesa, como mediador.

“A alma da universidade pende para viver da escola básica. Não faz sentido a gente viver dentro do famoso castelo de cristal, achando que a gente fica desenvolvendo teoria para os outros, isso é uma ideia que eu não consigo conceber. Alguém tem que ir à escola para aprender como que é a educação”, afirma o professor Flávio Caetano.

Hortolândia é uma cidade jovem, tem apenas 31 anos de idade, da sua emancipação. Foi distrito de Sumaré, mas antes, lá atrás ainda, foi de Campinas, então é uma rede que já tem quase 70 anos de idade com muitos saberes construídos, muitos aprenderes, muita experiência. Por que não ter um currículo próprio? Um currículo considerando e contemplando toda essa riqueza que foi construída ao longo dessa trajetória. A Escola-Outra criou sinergia com a nossa proposta. Eu até falei com o professor, a gente tem que ser mais ousados, transformar essa experiência em algo real na rede, como política pública mesmo, como um modelo de educação para a nossa cidade, porque ele dialoga exatamente com aquilo que foi construído”, ressaltou o secretário de Fernando Moraes.

A diretora da Emei, Lia Carolina de Oliveira Barbosa de Menezes, e a coordenadora pedagógica da Emef, Euzáquia Menezes de Souza, relataram aos presentes as práticas realizadas e as mudanças trazidas na cultura e nas vivências pedagógicas com a vigência do projeto. A supervisora educacional Fabiana da Silva Santos Rodrigues abordou outro aspecto, o da formação gratuita e continuada de profissionais da educação, também no âmbito do projeto, por meio do Curso de Especialização Lato Sensu: “Da Escola Pública à Escola Outra: relações com o saber que afetam projetos de vida e de trabalho”, oferecido pelo Depto. de Educação da UFSCar, em parceria com o Departamento de Ciência e Tecnologia da Prefeitura.

“O projeto já acontece nas duas escolas e será ampliado por adesão. Nós temos o curso de pós-graduação que está com 160 inscritos para a 3ª oferta. Já formamos nesse curso aproximadamente 200 alunos, entre a primeira e a segunda oferta”, informou Fabiana Rodrigues.

O município foi representado também pelo secretário adjunto de Educação, Ciência e Tecnologia, Renato Muccillo; pelas diretoras Jane Ap. Nery de Carvalho (Ciência e Tecnologia) e Simone Locatelli (Educação Infantil) e as supervisoras Juliana Folva Poinha e Márcia Gonçalves.

Este artigo foi enviado pela Prefeitura de Hortolandia

Lei Proibida a reprodução total ou parcial, sem autorização previa do Portal Hortolandia . Lei nº 9610/98