TV, Cinema e Teatro

COMO SOBREVIVER A UM ATAQUE ZUMBI

Existem vários estereótipos utilizados no cinema, principalmente em Hollywood e como os nerds estão em alta, são o foco de projetos como esta comédia ridícula intitulada ‘Como Sobreviver a um Ataque Zumbi’, que insere o 3D apenas para ganhar uns trocados a mais.

Se filmes como ‘Todo Mundo Quase Morto’, ‘Zumbilândia’ ou ‘Scott Pilgrim contra o Mundo’ (que não tem nada haver com zumbis, mas tem nerdices explodindo pela tela), conseguiram trazer histórias clichês com personagens excelentes e sacadas geniais, os roteiristas Carrie Evans, Emi Mochizuki e Lona Williams criam um trio principal chatíssimo, fazendo o espectador torcer mais para os infectados e menos para os heróis.

O modo rápido com que a câmera de Christopher Landon se movimenta e a edição entrecortada pode até dar dinamismo nos quinze minutos iniciais, mas depois cansa. Os papeis femininos são apenas um fetiche para os olhares do público masculino e mesmo Denise não sendo a ‘mocinha em perigo’, chama mais atenção pela vestimenta mínima do que pela ação.

Ben, Carter e Augie são escoteiros que não veem querem desistir dessa atividade por conta da idade, mas não sabem como dizer para seu instrutor. Um dia, um vírus infecta boa parte da cidade, transformando os moradores em zumbis sedentos por sangue. Para salvarem suas vidas, deverão colocar todos os seus aprendizados em prática e destruí-los.

Daí para descobrir o óbvio, ou seja, os escoteiros vão entrar numa loja com caras de mal, pegar objetos e construir suas armas, utilizar o que aprenderam nos anos de curso, salvar o pessoal e se transformarem no trio de ‘descolados’ é a coisa mais previsível do mundo. ‘Como Sobreviver a um Ataque Zumbi’ só não é pior porque têm apenas oitenta minutos de duração e isso já é o suficiente.

Por Éder de Oliveira
www.cinemaepipoca.info

Sair da versão mobile