Connect with us

Economia

Fintech Trigg chega para transformar o mercado de crédito brasileiro

Publicado

em

Startups brasileiras dedicadas à tecnologia e inovação para o mercado financeiro já receberam mais R$ 1 bilhão de investimento desde 2014. Uma das novidades nesse setor, a Trigg, promete ser a estrela

Usar serviços financeiros sem ter que passar pelos bancos tradicionais já é uma realidade e está se tornando algo cada vez mais comum no Brasil. De acordo com o FintechLab, iniciativa da agência de inovação Clay Innovation para acompanhar o segmento de startups de serviços financeiros, em menos de um ano, o número de fintechs saltou de 130 para 244, crescimento de 87%. Mais de R$1 bilhão já foram investidos em fintechs brasileiras desde 2014 e 60% delas concentram-se nos segmentos de Pagamentos, Gestão Financeira e Empréstimos. A nova onda agora é a dos cartões digitais.

Marcas consolidadas no lançamento de cartões de créditos, como Nubank e Neon, ganharam, recentemente, um forte competidor no mercado. A Trigg lançou seu primeiro cartão de crédito, inspirada em ideias que prometem transformar o setor. O Trigg Visa (trigg.com.br) é o primeiro cartão de crédito, acompanhado de uma proposta de fomento ao empreendedorismo social no Brasil.

O Triggers powered by Visionários (www.triggers.com.br) é um programa de empreendedorismo social, em que grupos de jovens, mentorados por grandes lideranças, resolvem desafios, participam de um programa de pré-aceleração e no final uma equipe recebe um aporte em dinheiro e 4 meses de aceleração.

Uma das grandes vantagens do cartão de crédito da Trigg é o cashback, um dos mais altos do mercado. O retorno pode chegar a 1,3% do total do valor da fatura, podendo ser utilizado como crédito na fatura ou doados para o Triggers powered by Visionários. “Acreditamos que nossos clientes apresentam forte engajamento para apoiar coletivamente negócios que ajudem a melhorar a vida das pessoas, resume Marcela.

Publicidade

Além disso, a fintech está oferecendo aos consumidores a melhor experiência digital do segmento. Por meio de aplicativos (IOS e Android), o cliente pode solicitar o cartão, ter atendimento virtual, acesso a serviços de gestão de despesas – e suporte de gráficos -, revisar limites e pagar faturas. Tudo de maneira lúdica, intuitiva e sem burocracia. O cliente ainda pode participar do programa ‘Member Get Member’ e ganhar dinheiro indicando amigos. A cada indicação de um amigo, o usuário recebe R$10,00 quando seu amigo pagar a primeira fatura.

FONTE Trigg

Brasil

Auxílio Brasil é pago a beneficiários com NIS final 7

Publicado

em

Por

auxilioBrasil

Valor mínimo para cada família é R$ 400

A Caixa Econômica Federal paga hoje (27) a parcela de junho do Auxílio Brasil aos beneficiários com Número de Inscrição Social (NIS) de final 7. O valor mínimo do benefício é R$ 400. As datas seguem o modelo do Bolsa Família, que pagava nos dez últimos dias úteis do mês.

O beneficiário poderá consultar informações sobre datas de pagamento, valor do benefício e composição das parcelas em dois aplicativos: Auxílio Brasil, desenvolvido para o programa social, e Caixa Tem, usado para acompanhar as contas poupança digitais do banco.

Atualmente, 17,5 milhões de famílias são atendidas pelo programa. No início do ano, 3 milhões foram incluídas no Auxílio Brasil.

O Auxílio Brasil é coordenado pelo Ministério da Cidadania, responsável por gerenciar os benefícios do programa e pelo envio dos recursos para pagamento pela Caixa.

Publicidade

Veja o calendário:

NISjunjulagosetoutnovdez
117/0618/0718/0819/0918/1017/1112/12
220/0619/0719/0820/0919/1018/1113/12
321/0620/0722/0821/0920/1021/1114/12
422/0621/0723/0822/0921/1022/1115/12
523/0622/0724/0823/0924/1023/1116/12
624/0625/0725/0826/0925/1024/1119/12
727/0626/0726/0827/0926/1025/1120/12
828/0627/0729/0828/0927/1028/1121/12
929/0628/0730/0829/0928/1029/1122/12
030/0629/0731/0830/0931/1030/1123/12

Auxílio Gás

O Auxílio Gás também é pago hoje às famílias inscritas no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico), com NIS final 7. Com valor de R$ 53 em junho, o benefício segue o calendário regular de pagamentos do Auxílio Brasil.

Com duração prevista de cinco anos, o programa beneficiará 5,5 milhões de famílias, até o fim de 2026, com o pagamento de 50% do preço médio do botijão de 13 quilos, conforme valor calculado pela Agência Nacional do Petróleo (ANP) nos últimos seis meses.

Pago a cada dois meses, o Auxílio Gás tem orçamento de R$ 1,9 bilhão para este ano. Só pode fazer parte do programa quem está incluído no CadÚnico e tenha pelo menos um membro da família que receba o Benefício de Prestação Continuada (BPC).

A lei que criou o programa definiu que a mulher responsável pela família terá preferência, assim como mulheres vítimas de violência doméstica.

Publicidade

Benefícios básicos

O Auxílio Brasil tem três benefícios básicos e seis suplementares, que podem ser adicionados caso o beneficiário consiga emprego ou tenha filho que se destaque em competições esportivas, científicas e acadêmicas.

Podem receber o benefício as famílias com renda per capita até R$ 100, consideradas em situação de extrema pobreza, e até R$ 200, em condição de pobreza.

Agência Brasil elaborou um guia de perguntas e respostas sobre o Auxílio Brasil. Entre as dúvidas que o beneficiário pode tirar estão critérios para integrar o programa social e detalhamento dos nove tipos diferentes de benefícios.

fonte Agência Brasil

Publicidade
Continue Lendo

Brasil

Selic deve aumentar mais 0,5%; Copom inicia quarta reunião

Publicado

em

Por

Em meio aos impactos da guerra no leste europeu e do nervosismo no mercado financeiro internacional, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) começa hoje (14) a quarta reunião do ano para definir a taxa básica de juros, a Selic. Amanhã (15), ao fim do dia, o Copom anunciará a decisão.

Nas estimativas das instituições financeiras, o Copom deverá encerrar o ciclo de aumento de juros, apesar das pressões atuais sobre a inflação. Segundo a edição mais recente do boletim Focus, pesquisa semanal com analistas de mercado, a Selic deverá passar de 12,75% para 13,25% ao ano, com alta de 0,5 ponto percentual. Os analistas de mercado esperam que a taxa permaneça nesse nível até o fim do ano.

Na ata da última reunião, os membros do Copom tinham sinalizado que pretendiam concluir o ciclo de alta da Selic porque as elevações dos últimos meses ainda estão sendo sentidas pelo mercado. No entanto, a guerra entre Rússia e Ucrânia passou a impactar a inflação brasileira, por meio do aumento dos combustíveis, de fertilizantes e de outras mercadorias importadas. Além disso, a instabilidade na economia norte-americana, que enfrenta a maior inflação nos últimos 40 anos, têm elevado a cotação do dólar em todo o planeta.

O mercado financeiro sentiu o impacto da economia externa. A última edição do boletim Focus elevou a previsão de inflação oficial pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de 8.89% para 9% em 2022

Publicidade

Para 2022, a meta de inflação que deve ser perseguida pelo BC, definida pelo Conselho Monetário Nacional, é de 3,5%, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo. Ou seja, o limite inferior é 2% e o superior é 5%. Os analistas de mercado consideram que o teto da meta será estourado pelo segundo ano consecutivo.

Aperto monetário
Principal instrumento para o controle da inflação, a Selic continua em ciclo de alta, depois de passar seis anos sem ser elevada. De julho de 2015 a outubro de 2016, a taxa permaneceu em 14,25% ao ano. Depois disso, o Copom voltou a reduzir os juros básicos da economia até que a taxa chegou a 6,5% ao ano, em março de 2018.

Em julho de 2019, a Selic voltou a ser reduzida até chegar ao menor nível da história, em agosto de 2020, em 2% ao ano. Começou a subir novamente em março do ano passado, tendo subido 10,75 pontos percentuais até agora.

Taxa Selic
A taxa básica de juros é usada nas negociações de títulos públicos emitidos pelo Tesouro Nacional no Sistema Especial de Liquidação e Custódia (Selic) e serve de referência para as demais taxas da economia. Ela é o principal instrumento do Banco Central para manter a inflação sob controle. O BC atua diariamente por meio de operações de mercado aberto – comprando e vendendo títulos públicos federais – para manter a taxa de juros próxima ao valor definido na reunião.

Publicidade

Quando o Copom aumenta a taxa básica de juros, pretende conter a demanda aquecida, causando reflexos nos preços porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança. Desse modo, taxas mais altas seguram a atividade econômica. Ao reduzir a Selic, a tendência é que o crédito fique mais barato, com incentivo à produção e ao consumo, reduzindo o controle da inflação e estimulando a atividade econômica.

Entretanto, as taxas de juros do crédito não variam na mesma proporção da Selic, pois a Selic é apenas uma parte do custo do crédito. Os bancos também consideram outros fatores na hora de definir os juros cobrados dos consumidores, como risco de inadimplência, lucro e despesas administrativas.

O Copom reúne-se a cada 45 dias. No primeiro dia do encontro, são feitas apresentações técnicas sobre a evolução e as perspectivas das economias brasileira e mundial e o comportamento do mercado financeiro. No segundo dia, os membros do Copom, formado pela diretoria do BC, analisam as possibilidades e definem a Selic.

Fonte Agência Brasil

Publicidade
Continue Lendo

Economia

Guia para opções de investimento de curto prazo

Publicado

em

dinheiro

Qualquer coisa que você compre com o objetivo de ganhar mais dinheiro pode ser considerado um investimento. Com isso dito, os investimentos podem ser divididos em dois grupos – longo prazo e curto prazo. Este artigo ajudará você a entender os fundamentos das opções de investimento de curto prazo.

Como funcionam os investimentos

Quando se trata disso, os objetivos de qualquer investimento devem ser duplos: gerar receita e valorizar. Os instrumentos de investimento podem incluir ações, títulos, imóveis, obras de arte, vinhos finos, automóveis exóticos ou qualquer coisa que possa ser apreciada.

Um aspecto fundamental para entender qualquer investimento é a consciência do grau de risco que ele acarreta. Afinal, sempre há uma chance de um investimento não aumentar de valor conforme o esperado e é perfeitamente possível que ele perca parte ou todo o seu valor. Essa análise de risco/recompensa é a diferença básica entre poupar e investir.

Economizar é colocar o dinheiro em um lugar seguro com a intenção de adicioná-lo para uma necessidade futura. Enquanto isso, investir usa dinheiro para obter um ganho ao longo do tempo. Assim, o crescimento de uma conta poupança depende principalmente de sua capacidade de fazer depósitos adicionais, enquanto o crescimento de um investimento depende de seu desempenho.

Publicidade

Por que investir?

Dado o fator de risco, e. a possibilidade de perda, associada ao investimento, é razoável perguntar por que alguém faria isso. Afinal, poupar – como meio de aumentar a riqueza – é um processo sobre o qual você tem mais controle. As economias crescem cada vez que você as adiciona e o risco de perder seu dinheiro em uma conta poupança tradicional é praticamente eliminado.

No entanto, investir oferece a você o potencial de maiores recompensas em troca de aceitar o risco de perda que o acompanha. Assim, os ganhos derivados do investimento podem superar os da poupança – principalmente quando você leva em consideração a inflação. Os preços de bens e serviços tendem a subir ao longo do tempo, o que pode fazer com que o valor do dinheiro diminua de forma proporcional.

Enquanto isso, a inflação tem o potencial de aumentar o valor de um bom investimento. Além disso, o princípio da composição também ajuda um investimento a crescer. Reinvestir os ganhos derivados de um investimento aumenta seu valor, o que posiciona esse investimento para ganhar ainda mais e crescer a uma taxa mais rápida do que antes.

Começando como um investidor

Sua principal consideração como investidor deve ser o(s) propósito(s) para o qual você está investindo. Em outras palavras, quais são seus objetivos financeiros associados?

Publicidade

Eles são de longo prazo ou de curto prazo?

De um modo geral, os investimentos de longo prazo atendem à necessidade de grandes somas de dinheiro em um futuro distante, enquanto os investimentos de curto prazo são mais adequados para o financiamento de uma necessidade mais imediata. Você está investindo com o objetivo de desfrutar de férias de um mês nas Maldivas nos próximos três a cinco anos ou está trabalhando para se aposentar confortavelmente em 20 a 30 anos?

Opções comuns de investimento de curto prazo

Alguns dos elementos mais atraentes de um investimento típico de curto prazo tendem a ser segurança, liquidez fácil e potencial para um retorno maior do que você poderia obter de uma conta poupança tradicional. Os investimentos típicos de curto prazo mantêm seu principal à mão caso surja uma necessidade imediata. Além disso, o risco de um desses investimentos entrar em default geralmente será menor do que o risco que você assumiria com um investimento de longo prazo.

Eles também fornecem um grau de isolamento da volatilidade e os retornos são geralmente maiores do que aqueles que você obteria de uma conta de poupança bancária ou cooperativa de crédito. Outro benefício da maioria das opções de investimento de curto prazo são os baixos custos de transação. Você pode entrar neles a um custo mínimo e vendê-los é relativamente barato também.

Alguns investimentos comuns de curto prazo incluem:

Publicidade

Certificados de Depósito (CDs) – Segurados pela Federal Deposit Insurance Corporation (FDIC) até $ 250.000, esses depósitos a prazo são emitidos por bancos e pagam uma taxa de juros mais alta em troca de seu acordo para conceder ao banco o uso do dinheiro em um prazo acordado. Os rendimentos estão vinculados à quantidade de tempo que você permite que o banco retenha o dinheiro. Segurado pelo FDIC significa que seus depósitos são garantidos até o valor do seguro de depósito, tornando-os uma opção de investimento de curto prazo relativamente segura.

Contas do mercado monetário – Também seguradas pelo FDIC, as contas do mercado monetário funcionam como CDs, mas exigem um valor mínimo de investimento específico, que varia de conta para conta. As contas do mercado monetário normalmente pagam uma taxa de juros mais baixa do que um CD, mas você pode sair de uma conta do mercado monetário mais cedo e com menos problemas.

Fundos mútuos do mercado monetário – Investindo em títulos de curto prazo, bem como em dívida bancária, corporativa e municipal, os fundos mútuos do mercado monetário diferem das contas do mercado monetário, pois não são segurados pelo FDIC e você pagará uma taxa de gerenciamento de ativos. Basicamente um fundo mútuo voltado para renda, seus dólares são investidos em dívidas de curto prazo junto com os de um grupo de outros investidores. Embora considerados entre os investimentos mais conservadores, os fundos do mercado monetário podem potencialmente perder dinheiro.

Opções – As opções são contratos negociáveis ​​que os investidores usam para especular se o preço de um ativo será maior ou menor em uma determinada data no futuro, sem qualquer exigência de comprar o ativo em questão. Existem também estratégias de negociação de opções mais avançadas, como opções binárias. Na negociação de opções binárias, o período do contrato é mais curto do que as opções tradicionais (baunilha). Isso significa que os traders têm a chance de aumentar seus ativos líquidos em minutos ou até segundos. Antes de começar a investir em estratégias de investimento de alto rendimento, como opções binárias, certifique-se de fazer pesquisas suficientes e conhecer todos os detalhes sobre essa estratégia de investimento. Este site responderá a todas as suas perguntas sobre opções binárias e você aprenderá táticas que nem sabia que existiam: binaryoptions.com

Publicidade

Contas de Poupança de Alto Rendimento – Com pagamentos de juros maiores do que as contas de poupança bancárias tradicionais – as contas de poupança de alto rendimento também contam com proteção FDIC. No entanto, as instituições financeiras que os oferecem geralmente não fornecem contas correntes e de poupança padrão, o que significa que uma parada bancária provavelmente não funcionará.

Títulos do Tesouro – Títulos emitidos pelo governo, letras, notas de taxa flutuante e Títulos Protegidos pela Inflação do Tesouro (TIPS) indexados à inflação se enquadram nesta categoria. Estes são apoiados pela classificação de crédito do governo dos Estados Unidos, então eles tendem a ser bastante seguros.

Fundos de títulos corporativos de curto prazo – adquiridos de gestores de ativos e empresas de investimento, esses investimentos de curto prazo envolvem um pouco mais de risco, mas também tendem a pagar melhor. Composto por uma coleção de títulos em diferentes setores, sua volatilidade tende a ser baixa.

Títulos Municipais – Favorecidos por sua natureza isenta de impostos, comprar um título municipal é essencialmente emprestar dinheiro a agências governamentais locais, estaduais ou não federais em troca da promessa de ganho financeiro quando os títulos vencerem.

Publicidade

Contas de gerenciamento de caixa – Oferecendo a capacidade de investir em uma ampla gama de investimentos de curto prazo, as contas de gerenciamento de caixa funcionam muito como contas bancárias regulares, pois você pode emitir cheques contra o valor do seu investimento, bem como transferir dinheiro para dentro e para fora deles.

Continue Lendo

Populares