Roubos de cargas também caíram; indicadores de latrocínio, roubo a banco e extorsão mediante sequestro permaneceram zerados

A região de Campinas terminou o mês de fevereiro com redução em todas as modalidades de furtos e nos roubos em geral, de cargas e de veículos. Os indicadores de casos e vítimas de latrocínio, roubo a banco e extorsão mediante sequestro permaneceram zerados.

Os furtos em geral e de veículos apresentaram os menores números da série histórica, iniciada em 2001. O primeiro recuou 8,2% no segundo mês do ano, se comparado a igual período de 2020, passando de 2.766 para 2.539. O segundo indicador, por sua vez, caiu 19,2%, passando de 582 para 470.

A tendência se estendeu para os roubos em geral e de veículos, que também tiveram as menores quantidades da série. O primeiro diminuiu 21,2%, com um total de 767 boletins, ante 973. O segundo reduziu 20,5% – passou de 283 para 225 – uma diferença de 58 casos.

Nos roubos de cargas o recuo foi de 9,8% em fevereiro deste ano, em comparação a igual mês do ano anterior. O número passou de 51 para 46 – 5 a menos.

Pela quarta vez consecutiva, o indicador de roubo a banco ficou zerado. Semelhante ocorreu com o de extorsão mediante sequestro, que permaneceu zerado pela 8ª vez consecutiva.

Outros indicadores

No segundo mês do ano, os casos e vítimas de latrocínio permaneceram zerados. Em contrapartida, os homicídios dolosos subiram. O número de casos cresceu de 16 para 18 e o de vítimas, de 18 para 19.

Com isso, as taxas dos últimos 12 meses (de março de 2020 a fevereiro de 2021) ficaram em 5,95 ocorrências e 6,05 vítimas de morte intencional para cada grupo de 100 mil habitantes.

O indicador de estupro também subiu no período. O aumento foi de 1,5% – passou de 67 para 68.

Produtividade

O trabalho das polícias paulistas na região de Campinas, no mês passado, resultou em 1.026 prisões e na apreensão de 85 armas de fogo ilegais. Também foram registrados 313 flagrantes por tráfico de entorpecentes.