A cultura de um povo é formada por diferentes tipos de manifestações, que podem ser festas, costumes, tradições, ofícios, músicas, saberes, entre outras. Essas manifestações são consideradas bens imateriais. Para explicar esse conceito ao público, a Prefeitura exibe o projeto “Mapa da Cultura Imaterial de Hortolândia”, que consiste de uma série de cinco vídeos. O primeiro será exibido nesta terça-feira (29/06), às 20h, no canal do YouTube da Secretaria de Cultura (CLIQUE AQUI). O projeto é um dos contemplados com recursos da lei federal Aldir Blanc, que oferece subsídio para artistas, grupos, empresas e profissionais dos setores artístico-culturais do município cujas atividades foram afetadas pela pandemia do Coronavírus. 

De acordo com a historiadora e pedagoga Julia Rany Campos Uzun, responsável pelo projeto, o objetivo é explicar a importância do tema e mostrar exemplos de patrimônios culturais imateriais da cidade para a população. Conforme preconizado pela UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) e instituído por lei federal, a pesquisadora ressalta que também são considerados bens imateriais expressões artístico-culturais recentes. No primeiro vídeo, o projeto aborda o gênero musical rap, com participação de Mano Ed, integrante do grupo Face da Morte. O músico explica como o rap foi trazido ao Brasil, sua transformação ao longo dos anos e apresenta a cena de rap da cidade. 

Além dos cinco vídeos, o projeto abrangerá ainda um livro, um catálogo e três videoaulas sobre o tema. O livro e o catálogo serão disponibilizados no site Mapa da Cultura (CLIQUE AQUI), da Secretaria de Cultura. De acordo com a historiadora Julia Rany, a ideia de disponibilizar esses materiais é para que o acervo seja utilizado por professores da rede municipal de ensino.

Confira abaixo a programação de vídeos do projeto “Mapa da Cultura Imaterial de Hortolândia”:

– Dia 29/06: Episódio 1 – Rap

– Dia 06/07: Episódio 2 – Grafite:

O artista Kranium (Leandro Ferreira dos Santos) apresenta sua trajetória na arte do grafite, o histórico do movimento como parte de um processo identitário do movimento negro e o cenário desta manifestação na região de Hortolândia.

– Dia 13/07: Episódio 3 – Cultura afro

Mãe Eleonora, coordenadora do Ponto de Cultura Caminhos, ressalta a importância da valorização da cultura de matriz africana para a formação da identidade e para a promoção da pluralidade étnica e religiosa, destacando a relevância do diálogo intercultural para a garantia do respeito e da tolerância entre os diversos grupos.

– Dia 20/07: Episódio 4 – Teatro

Os integrantes da Cia. Odu destacam as muitas faces do teatro como invenção e reinvenção das práticas cotidianas, do fazer artístico e da descoberta de muitos mundos por meio da cultura.

– Dia 27/07: Episódio 5 – Cultura caipira

Mestre Chiquinho, responsável pelo grupo Pioneiros do Catira e a Companhia de Santos Reis Rosa dos Anjos, apresenta a importância das tradições caipiras e sua ligação com a região de Hortolândia, destacando a necessária valorização da catira, da viola e do tropeirismo como espaços de memória da cidade.

Este artigo foi enviado pela Prefeitura de Hortolandia

Artigo anteriorEstudantes da rede municipal de Hortolândia participam de projetos de conscientização ambiental
Próximo artigoPortal em construção na Av. Thereza Ana Cecon Breda recebe cobertura metálica