Onze pessoas acolhidas, seis auxiliadas com a retirada de documentos pessoais e duas recambiadas para a cidade natal. Este é o balanço da primeira semana da Operação Inverno, realizada pela Prefeitura de Hortolândia, por meio da Secretaria de Inclusão e Desenvolvimento Social. A iniciativa visa auxiliar quem está na cidade em situação de rua, enfrentando dias de inverno, com temperaturas beirando os oito, nove graus Celsius na madrugada.

As equipes que fazem a abordagem social são compostas por assistente social, psicólogo, motorista e pessoal de apoio. Desde o dia 10 deste mês, os grupos percorrem a cidade, diariamente, para oferecer acolhimento provisório a homens e mulheres que vivem pelas ruas da cidade. Levantamento feito pela Administração Municipal verificou que, atualmente, há cerca de 30 pessoas nesta situação, em diversas regiões da cidade, dentre elas Centro, Jd. Amanda e Jd. Rosolen. Destas, 11 aceitaram participar do acolhimento que está sendo realizado em parceria com o Instituto Esperançar, entidade social parceira da Prefeitura, localizada na Rua Francisco Guimarães de Oliveira, 40, no Remanso Campineiro.

Com o auxílio da Prefeitura, seis dos atendidos conseguiram retirar novos documentos, tais como RG, CPF, Carteira de Trabalho e Título de Eleitor. Além disso, dois deles aceitaram retornar à sua cidade natal e seis dormiram todas as noites no Instituto. No espaço, os acolhidos puderam tomar banho e fazer duas refeições (jantar e café da manhã). Receberam também kits com produtos de higiene pessoal, agasalho e cobertor, além de colchão para passar a noite aquecidos e seguros, ao lado do animal de estimação. Em contrapartida, precisaram seguir regras de boa convivência, dentre elas não portar armas brancas, não ingerir bebidas alcoólicas nem drogas, nem estar em conflito com a lei. Durante o acolhimento, as equipes plantonistas contaram com profissionais multidisciplinares e voluntários. No dia 15/07, músicos da Secretaria de Cultura fizeram uma apresentação para eles.

“A adesão à abordagem foi ótima, quase 50% das pessoas aceitaram ao menos fazer as refeições, tomaram banho e atualizaram o cadastro junto à Prefeitura. Por ser um serviço novo, acreditamos que, com o passar dos dias, conquistaremos ainda mais a confiança deles para que participem não somente da operação, mas também dos diversos serviços de assistência e promoção social realizados pela Prefeitura, por meio da Secretaria de Inclusão e Desenvolvimento Social”, destacou o secretário Régis Athanázio Bueno.

Bueno ressalta que, além de acolher este segmento em vulnerabilidade social durante os meses de frio, a Administração Municipal busca atualizar o cadastro das pessoas em situação de rua em Hortolândia, encaminhá-las a serviços públicos de assistência social e saúde pública, tais como CAPs (Centros de Atenção Psicossocial), CRAS (Centro de Referência de Assistência Social), CREAS (Centro de Referência Especializado de Assistência Social), emissão de cartão cidadão e documentação pessoal, adesão ao programa Bolsa Família, dentre outros, e sempre que possível, reestabelecer laços afetivos, recambiando-as a eventuais núcleos familiares.

O acolhimento, provisório, será feito no Instituto Esperançar até que fique pronta a obra de reforma e adequação de espaço próprio, no Jd. Novo Estrela, onde será implantado o primeiro Albergue Municipal.

Rede de solidariedade

A Prefeitura aceita doações voltadas aos abrigados. Quem quiser auxiliar poderá doar colchões e cobertores em bom estado, produtos de higiene pessoal (escovas de dente, creme e fio dental, pentes ou escovas de cabelo, toalhas de rosto, sabonete, xampu e condicionador) diretamente ao Instituto Esperançar, das 18h às 7h, ou ao Funsol-Hortolândia (Fundo de Solidariedade), que funciona dentro do HORTOFÁCIL, na Região Central. Também será aceita a presença de voluntários que desejem preparar refeições ou mesmo conversar e realizar atividades de lazer junto aos abrigados.

Artigo anteriorDecathlon abre 50 vagas para vendedor
Próximo artigoEMS oferece diversas vagas para o setor de Qualidade