Uma importante ação de combate ao mosquito Aedes aegypti, transmissor da Dengue, Chikungunya e Zika, é realizar a ADL (Análise de Densidade Larvária). Nesta semana, a Prefeitura de Hortolândia finalizou a ação no município. O objetivo é contabilizar a quantidade de larvas do inseto que foram encontradas em residências.

De acordo com a UVZ (Unidade de Vigilância e Zoonoses), órgão da Secretaria de Saúde, a ação consiste em visitas aleatórias em casas de todas as regiões da cidade. É feito o sorteio dos quarteirões a serem visitados. Segundo o veterinário do órgão, Evandro Alves Cardoso, foram visitados cerca de 3.000 imóveis nos últimos dias.

Os agentes entram nas residências para investigar locais onde há larvas do Aedes aegypti. As larvas são recolhidas, identificadas e contabilizadas para gerar o índice, conhecido como Índice de Breteau. “A ADL é importante para sabermos o grau de infestação do mosquito no município para definir quais ações e estratégias a Prefeitura adotará para a prevenção e o combate ao Aedes aegypti”, salienta Cardoso.

A ação é realizada três vezes ao ano. “Realizamos a ADL em dois períodos chuvosos, janeiro e outubro, e uma no período mais seco, julho, para verificar se o índice de infestação se mantém nesse período de poucas chuvas”, explica o veterinário. O índice é dividido em três escalas: de 0 a 1 é considerado um nível baixo; de 1 a 4, médio; e resultados superiores a 4, alto. O índice medido no município em janeiro deste ano foi de 3,9. Já em julho de 2020 a análise não foi feita em razão da pandemia do Coronavírus. De acordo com a UVZ, o índice medido nos últimos dias deve ser finalizado na próxima semana.

CASA A CASA

Com a conclusão da ADL, a UVZ retomou a ação casa a casa de busca e eliminação de criadouros do Aedes aegypti em diferentes regiões da cidade. Nesta semana, o trabalho é feito nas regiões do Jardim Nossa Senhora de Fátima, Parque dos Pinheiros e Jardim Santana. 

Os agentes do órgão visitam as casas dos moradores para fazer a busca ativa e a eliminação de possíveis criadouros do Aedes aegypti. O objetivo é eliminar o mosquito ainda na fase larval. Caso sejam encontradas larvas, algumas delas são recolhidas para identificação em laboratório. 

A Prefeitura solicita para que os moradores recebam os agentes e os deixem entrar em suas residências para realizar a ação. O veterinário Evandro Alves Cardoso ressalta que os agentes estão identificados com crachá e uniforme. Durante a ação, a Prefeitura ressalta ainda que, em virtude da pandemia do Coronavírus, os agentes e os moradores devem manter os protocolos sanitários com o uso obrigatório de máscara e distanciamento.  Mas é preciso ficar atento contra golpes: durante as visitas, os agentes não solicitam nenhum dado bancário ou informação pessoal dos moradores. O trabalho realizado consiste somente na identificação e eliminação de criadouros do mosquito.

A UVZ salienta que mesmo no inverno o Aedes aegypti continua ativo durante o dia, período em que a temperatura é mais quente e, portanto, propícia para a circulação do mosquito. O órgão salienta ainda que a reprodução do inseto acontece em água parada. Assim, a UVZ recomenda à população adotar cuidados simples para ajudar no combate ao mosquito. Dentre os cuidados estão manter tampados tonéis, barris e caixas d’água, colocar telas em ralos e mantê-los limpos, deixar garrafas com a boca virada para baixo e encher os pratinhos de vasos de plantas com areia até a borda. De acordo com o órgão, cerca de 80% dos focos estão nas casas das pessoas. 

Outra atitude da população para ajudar no combate ao mosquito é evitar o descarte irregular de resíduos em vias e áreas públicas e em terrenos baldios. A Prefeitura reforça a orientação para que a população faça o descarte de resíduos e materiais reaproveitáveis nos 11 PEVs (Pontos de Entrega Voluntária de entulho e outros materiais recicláveis) existentes na cidade. A lista dos PEVs está disponível no site da Prefeitura, por meio deste LINK.

De acordo com a Vigilância Epidemiológica, órgão da Secretaria de Saúde, o município registra neste ano 1.043 casos notificados de Dengue, dos quais 465 positivos, 532 negativos, 46 aguardam resultado e nenhum óbito. Já de Chikungunya são 4 casos notificados, dos quais 2 positivos, 2 negativos e nenhum óbito.

Este artigo foi enviado pela Prefeitura de Hortolandia

Artigo anteriorForça Tática da PM prende quadrilha responsável por furto a residência ocorrido em Campinas
Próximo artigoIndicativos de chuva somente no meio da próxima semana