Connect with us

TV, Cinema e Teatro

INVOCAÇÃO DO MAL 2

Publicado

em

Quando James Wan estreou nas telonas, com o terror ‘Jogos Mortais’ conseguiu fazer milagre e multiplicou o mísero orçamento de pouco mais de um milhão de dólares (fez 100 milhões nas bilheterias mundiais) e deu à saga outros seis filmes. De lá para cá, ganhou experiência e respeito dos estúdios e mesmo passeando por outros gêneros, é no terror que ele se sente mais à vontade.

‘Invocação do Mal 2’ continua as aventuras macabras de Ed e Lorraine Warren e aqui o diretor tem mais tempo para trabalhar as nuances do casal e mostrar para o espectador o quanto este ‘trabalho’ os afeta física e psicologicamente. Não há novidades no roteiro de Walter Hamada, Dave Neustadter e do próprio Wan, mas os clichês são trabalhados de maneira exemplar (há portas batendo, reflexos na água, barulhos estranhos e tudo o que o fã do gênero ama).

A câmera passeia sem cortes pelos cômodos ao apresentar a casa dos Hodgson, família que vive no subúrbio da Inglaterra e se vê afetada por um fenômeno inexplicável. Desde a poltrona, reclusa no canto da sala, passando pela parede descascada e caindo aos pedaços, até chegar no porão, tudo poderá ser utilizado para levar medo a quem assiste, portanto, segure sua pipoca e seu refrigerante com força.

E falando em medo, há pelo menos dois ou três excelentes sequências, onde senti minha espinha congelar – aquela freira demoníaca (que provavelmente ganhará um filme solo) e a explicação do porquê ela existe é muito funcional – e a fotografia, que vai ganhando tons diferenciados e passa da cor pastel para a escuridão total, são um achado.

Ed e Lorraine decidiram ‘tirar férias’ e deixar os exorcismos de lado, mas o demônio insiste em aparecer em suas vidas. Desta vez, sete anos após os acontecimentos anteriores, viajam para a Inglaterra, mais precisamente na cidade de Enfield, a pedido da Igreja Católica, para desvendar algumas manifestações poltergeist ocorridas numa garota. Como já é sabido, o ‘buraco é mais embaixo’ e a parada vai ser mais difícil do que imaginavam.

A recriação da década de 70 é maravilhosa e as atuações dão show, mas é Madison Wolfe que rouba a cena ao interpretar Janet Hodgson. A diferença na questão orçamentária, se comparada com o filme de 2013, é gritante, mas em duas cenas acaba atrapalhando por conta do uso da computação gráfica. No mais, ‘Invocação do Mal 2’ é deliciosamente assustador e uma continuação a altura do original.

Assista em Hortolândia no CineSystem

Por Éder de Oliveira
www.cinemaepipoca.com.br

TV, Cinema e Teatro

La Brea: A Terra Perdida é o filme da Tela Quente nessa semana

Publicado

em

LaBrea

Ficções científicas são extraordinariamente intrigantes e sempre trazem conceitos que, em tese, abordam situações psicológicas e novos conceitos de certo e errado. Embora seja um nicho bem específico, temos pequenas joias nesse gênero.

Nessa segunda (16) a Tela-Quente traz uma delas, ou seja, o filme La Brea: A Terra Perdida.

No longa acompanhamos uma sociedade que precisa lidar com um inexplicável mundo primitivo. Após um gigantesco poço ser aberto misteriosamente em Los Angeles, uma família é dividida. Agora, ao lado de estranhos, eles devem trabalhar para sobreviver e descobrir o mistério de onde estão e se há um caminho de volta para casa.

O filme tem rostos pouco conhecidos, mas talentosos, como: Natalie Zea, Zyra Gorecki e Jack Martin.

Já o diretor é David Appelbaum, que tem um currículo vasto em séries como NCSI e The Mentalist.

Se ficou interessado para saber mais dessa trama, a Tela Quente começa as 22h30, espero vocês lá!

Continue Lendo

TV, Cinema e Teatro

Estreia curta metragem sobre a vida do jornalista Brasil de Oliveira

Publicado

em

Brasil de Oliveira

Estreia no mês de Maio o filme “A Última Transmissão”. O curta metragem de 15 minutos conta a história semi ficcional do último dia de vida do folclórico jornalista esportivo Brasil de Oliveira (1950-1996), que marcou a história do jornalismo e do rádio esportivo no interior do Estado. O filme, contemplado pelo Proac 30/2020, foi dirigido pela cineasta Helen Quintans e contou com a participação especial de ícones da imprensa esportiva de Campinas, como Carlos Batista, José Arnaldo, Alberto César e Fernando César.


Brasil de Oliveira, ou “Brasa” foi o personagem criado pelo jornalista Rodrigo Lagoa (São Paulo, 1950 – Campinas, 1996), um ícone da imprensa esportiva de Campinas e do Estado de São Paulo. Ele era extremamente conhecido, sobretudo por sua capacidade de reconhecer futuros craques e por sua imensa agenda de contatos. Brasil de Oliveira foi o último jornalista “analógico”, dono de um conhecimento extremo sobre futebol e de um jeito folclórico de se comunicar.


O filme, totalmente ambientado na Campinas dos anos 1990, se passa em locais icônicos da cidade, como o Largo das Andorinhas, o bar Giovanetti, o Edifício Itaguaçu, a Igreja do Carmo e a Catedral Metropolitana. Segundo a diretora Helen Quintans, essa escolha reflete a relação íntima de Brasa com Campinas“Seria impossível falar do Brasa sem falar de Campinas, ele vivia a cidade muito intensamente e criou uma relação afetiva com ela, para além do futebol”.


“A Última Transmissão” tem cinco exibições agendadas. A primeira será dia 13 de Maio, as 19:30, no Cineplex do Shopping Prado. As outras serão nos dias 19 (20:00 no Teatro Estrada, em Indaiatuba), dia 27 (14:00 no CEU José Paganotti, em Araras), dia 28 (19:00 na Casa de Vidro do Lago do Café, em Campinas) e no dia 3 de Junho, na Escola de Artes Augusto Boal, em Hortolândia, a partir das 19:00. Todas as exibições são gratuitas e haverá bate papo com a diretora após o término do filme.

Continue Lendo

TV, Cinema e Teatro

MazeRunner: A Cura Mortal na Tela Quente dessa semana

Publicado

em

Eu não sei vocês, mas eu adoro filmes com uma distopia intrigante. Com uma crescente onda de filmes que embarcaram nessa temática, alguns se destacaram. Dentre eles, Jogos Vorazes!

Mas seu ‘irmão mais novo’, teve o mesmo destino e sucesso nas bilheterias. MazeRunner:  A Cura Mortal vem para finalizar a trilogia épica, dirigida por Wes Ball.

No filme, o personagem Thomas, vivido pelo ator Dylan O’Brien, embarca em uma missão para encontrar a cura para a tal doença do título.

Como os outros filmes, este também explorara bem os experimentos realizados na arena labirinto do C.R.U.E.L., que podem trazer consequências catastróficas. Cabe ao nosso herói decidir se confia na promessa da organização, de que esse era o último experimento, entregando a cura a eles ou agir de maneira contraditória.

O longa foi lançado em 2018, trazendo além de O’Brien: Will Poulter,  Kaya Scodelario e Rosa Salazar. 

A Tela Quente desta segunda (9) promete vir com muita ação e uma boa pitada de aventura. Lembrando que pode acompanhar os desfechos dessa saga a partir de 22h30.

Continue Lendo

Populares