Connect with us

Outros

Uso inadequado de antibióticos aumenta resistência de bactérias

Publicado

em

O uso consciente de antibióticos requer a atuação de diversos atores, que vão desde a população em geral até profissionais da saúde e indústria farmacêutica. “Sem uma ação urgente, caminhamos para uma era pós-antibióticos, em que infecções comuns e ferimentos leves podem voltar a matar”, alerta a Organização Mundial da Saúde (OMS).organização que promove até domingo (24) a Semana Mundial do Uso Consciente de Antibióticos. A programação teve início nesta segunda-feira (18).

Segundo a OMS, o uso inadequado de antibióticos faz com que as bactérias se alterem, tornando-se resistentes a medicamentos. Infecções como pneumonia, tuberculose e gonorreia, estão se tornando cada vez mais difíceis e, às vezes, impossíveis de tratar. A OMS estima que pelo menos 700 mil pessoas morrem por ano devido a doenças resistentes a medicamentos antimicrobianos e alerta que o número de mortes pode chegar a 10 milhões, a cada ano, até 2050, mantido o cenário atual.

“Isso é um problema que tem se tornado cada vez mais grave. A resistência bacteriana hoje em dia é considerada uma das 10 maiores ameaças à saúde pública global. Infecções para as quais antigamente a gente tinha tratamento, hoje praticamente não temos mais opções”, disse a chefe do Laboratório de Pesquisa em Infecção Hospitalar do Instituto Oswaldo Cruz, Ana Paula Assef, em entrevista à Rádio Nacional.

A pesquisadora ressalta que vários atores podem contribuir para reverter esse cenário. Profissionais da saúde podem ter mais cuidado e prescrever antibióticos de forma correta e consciente, escolhendo melhor o medicamento na hora de receitá-lo.

E a população também pode se proteger. “Muitas vezes acontece de a gente usar o antibiótico que tem no armário da vizinha, ou da tia, que falou que usou aquele antibiótico para tratar uma infecção parecida. Não pode. A população tem que ter essa noção de que antibiótico só pode ser usado, que só adianta, para infecções bacterianas. E quem tem que receitar é o médico”, afirmou. 

Consumo no mundo

Relatório da OMS publicado no ano passado aponta grandes discrepâncias nas taxas de consumo entre os 65 países analisados, variando de aproximadamente quatro doses diárias definidas (DDD) por cada mil habitantes para mais de 64 doses diárias definidas por cada mil habitantes.

Segundo a organização, a grande diferença no uso de antibióticos em todo o mundo indica que alguns países provavelmente estão usando antibióticos, enquanto outros podem não ter acesso suficiente a esses medicamentos que salvam vidas.

No Brasil, a taxa de consumo é 22,75, a maior entre os países americanos com dados disponíveis. O país é seguido por Bolívia, com taxa de consumo de 19,57 doses diárias definidas por cada mil habitantes; Paraguai, com 19,38; Canadá, com 17,05; Costa Rica, com 14,18; e Peru, com 10,26.

De acordo com o médico infectologista Hélio Bacha, grande parte do uso do antibiótico no Brasil, especialmente o ambulatorial, é desnecessária. “Há uma pressão muito grande por parte da população, que acha que antibiótico é medicação eficaz para todo tipo de infecção e há uma formação médica nem sempre adequada para distinguir o bom uso do antibiótico”, diestacou Bacha, que é consultor técnico representante da Sociedade Brasileira de Infectologia no Conselho Científico da Associação Médica Brasileira.

Bacha disse que grande parte das doenças infecciosas virais e mesmo infecções bacterianas tem cura espontânea. É preciso, portanto, “melhorar a prescrição por parte dos médicos. E isso não basta, se não houver consciência coletiva da população. [É preciso] melhorar o nível de saber dessa população dos limites do uso do antibiótico e das ameaças que isso traz.”

Segundo a OMS, há uma série de ações que podem ser tomadas por diversos setores da sociedade.

A população pode:

Prevenir infecções, lavando as mãos regularmente, praticando uma boa higiene alimentar, evitando contato próximo com pessoas doentes e mantendo atualizado o calendário de vacinação.

Usar antibióticos apenas quando indicado e prescrito por um profissional de saúde.

Seguir a prescrição à risca.

Evitar reutilizar antibióticos de tratamentos prévios que estejam disponíveis em domicílio, sem adequada avaliação de profissional de saúde.

Não compartilhar antibióticos com outras pessoas.

Profissionais de saúde podem:

Prevenir infecções ao garantir que as mãos, os instrumentos e o ambiente estejam limpos.

Manter a vacinação dos pacientes em dia.

Quando uma infecção bacteriana é suspeita, realizar culturas e testes bacterianos para confirmá-la.

Prescrever e dispensar antibióticos apenas quando realmente forem necessários.

Prescrever e dispensar o antibiótico adequados, assim como sua posologia e período de utilização.

Os gestores em saúde podem:

Implantar um robusto plano de ação nacional para combater a resistência aos antibióticos.

Aprimorar a vigilância às infecções resistentes aos antibióticos.

Reforçar as medidas de controle e prevenção de infecções.

Regulamentar e promover o uso adequado de medicamentos de qualidade.

Tornar acessíveis as informações sobre o impacto da resistência aos antibióticos.

Incentivar o desenvolvimento de novas opções de tratamento, vacinas e diagnóstico.

O setor agrícola pode:

Garantir que os antibióticos dados aos animais – incluindo os produtores de alimentos e os de companhia – sejam usados apenas no tratamento de doenças infecciosas e sob supervisão de um médico veterinário.

Vacinar os animais para reduzir a necessidade do uso de antibióticos e desenvolver alternativas ao uso de antibióticos em plantações.

Promover e aplicar boas práticas em todos os passos da produção e do processamento de alimentos de origem animal e vegetal.Adotar sistemas sustentáveis com melhor higiene, biossegurança e manejo dos animais livre de estresse.

Implementar normas internacionais para o uso responsável de antibióticos estabelecidas pela Organização Mundial de Saúde Animal, FAO [Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura] e OMS.

A indústria da saúde pode:

Investir em novos antibióticos, vacinas e diagnósticos. 

fonte ebc

Outros

Confira cinco dicas para evitar golpes na compra de carros seminovos e usados

Publicado

em

Enquanto há um aquecimento do setor, também se observa uma maior ocorrência de fraudes

Segundo informações divulgadas pela Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (FENABRAVE), o mercado de carros seminovos e usados teve um crescimento de 48,8% entre os meses de janeiro a agosto em comparação ao mesmo período de 2020. No entanto, enquanto há um aquecimento do setor, também se observa uma maior ocorrência de casos de golpes, principalmente em compras realizadas no ambiente virtual. 

De acordo com Daniel Abbud, CEO e sócio-fundador da Dryve, super app de compra e venda de carros usados e seminovos, o aumento da busca por essas modalidades acontece por conta de uma baixa na oferta de automóveis 0-km. “Estamos enfrentando um momento de falta de componentes e de encarecimento de insumos, o que consequentemente afeta a produção dos zeros. Em paralelo, a pandemia contribuiu para que os consumidores passassem a procurar um meio de locomoção próprio, além de realizarem mais compras na internet”, explica.  

Pensando em auxiliar aqueles que desejam adquirir automóveis seminovos e usados, o executivo separou as principais dicas para evitar golpes. Confira abaixo:

  • Pesquisar pelo RENAVAM ou placa do veículo

Os dados do RENAVAM ou placa do veículo não podem ser alterados e, portanto, o interessado pode encontrar todas as informações e histórico do veículo. Para isso, basta acionar um corretor de seguros de confiança ou no Detran mais próximo. 

  • Tabela FIPE 

A Tabela FIPE é a responsável por reunir os preços médios de veículos anunciados pelos vendedores no mercado nacional, o que pode ajudar a definir um parâmetro para as negociações. Ou seja, se o carro estiver à venda por um valor muito abaixo do padrão, é motivo para se desconfiar da venda. 

  • Investigue 

Infelizmente não tem como saber se uma loja física ou digital é ou não confiável. No momento, não existe um órgão fiscalizador ou algum site em que o consumidor possa checar a procedência do local. Para evitar cair em golpe de lojas falsas, o ideal é pedir o CNPJ para o vendedor a fim de checar a existência no site da Receita Federal ou na SERASA. Outra dica é realizar uma checagem em sites como o Reclame Aqui. 

  • Dê preferência a um intermediário 

Em alguns aplicativos de compra e venda de automóvel, existe o papel de um negociador credenciado. Ou seja, além da plataforma cuidar de questões como veracidade do anúncio e parcerias com bancos para financiamento dos carros, essas empresas também oferecem um serviço em que um profissional irá intermediar toda a negociação, o que garante otimização de tempo e assertividade nos processos envolvidos.

  • Evite pagamentos antecipados

Um golpe de venda de carros muito comum é a exigência de um pagamento antecipado para fechar o negócio. Os golpistas podem, inclusive, emitirem boletos falsos. O ideal é pagar apenas após a assinatura do contrato de compra, evitando ao máximo qualquer parcela antecipada.

Lembrando que caso o consumidor já tenha caído em um golpe, o PROCON da cidade deve ser acionado e é necessário, também, a realização de um boletim de ocorrência eletrônico ou na delegacia mais próxima. 

SOBRE A DRYVE  

A startup Dryve é um super app de compra e venda de carros, que reúne em um só lugar mais de 1,5 milhão de anúncios de automóveis usados de todas as plataformas do Brasil. São mais de 2.300 agentes autorizados que prestam suporte aos clientes na negociação de compra e venda e na indicação de serviços que auxiliam no cuidado da vida útil de veículos seminovos e usados. O potencial tecnológico de uma sofisticada combinação de algoritmos proporciona velocidade e precisão nas propostas de financiamento ao cliente, sugerindo a instituição financeira que mais se adequa ao momento econômico do comprador, com valores e taxas atraentes.

Continue Lendo

Outros

5 dicas de marketing para pequenas empresas

Publicado

em

Engana-se quem pensa que um planejamento de marketing completo e estratégico só é possível para grandes empresas já estabelecidas no mercado! Muito pelo contrário, o marketing para pequenas empresas é um aliado importante e deve ser colocado em prática o quanto antes, afinal, existem estratégias simples e úteis que, quando bem feitas, fazem toda a diferença.

A importância do marketing para empresas

Marketing é o conjunto de ações e estratégias feitas com o objetivo principal de divulgar, promover e vender serviços ou produtos. Com o avanço da internet e o crescimento das redes sociais como vitrines para empresas, o modo de consumo mudou e, hoje, é preciso estar presente no meio digital para aumentar a visibilidade e as vendas.

Porém, para que isso seja possível e uma empresa aumente seu fluxo de vendas, existem alguns pontos importantes para considerar em um planejamento de marketing:

Muito além de oferecer um produto ou serviço de qualidade, é preciso encantar o consumidor atual para conquistá-lo, fidelizá-lo e desenvolver um relacionamento.

Afinal, o consumidor atual valoriza experiência, humanização e conexão com a marca. Assim, é importante investir em estratégias que vão além de entregar apenas um bom produto, mas que também entreguem uma experiência completa – digital ou off-line.

Isso possibilita, além da fidelização, a divulgação espontânea, afinal, quando consumidores estão satisfeitos, dividem suas experiências com mais pessoas – especialmente nas redes sociais!

Outra excelente vantagem do marketing para pequenas empresas é o ótimo custo-benefício, já que existem diversas estratégias para todos os objetivos – por isso a importância de um planejamento.

Confira 5 dicas de marketing da sua gráfica online para aplicar no seu negócio.

Antes de colocar a mão na massa, é importante analisar e definir quem é o público-alvo da empresa, ou seja, quem são os consumidores que a marca deseja alcançar.

Com isso em mente, as estratégias terão mais sucesso, afinal, os conteúdos serão criados de acordo com esse consumidor, sua linguagem, faixa etária, etc.

#1 Esteja presente nas redes sociais (e seja constante!)

Tenha contas nas principais redes sociais utilizadas pelo público (como o Facebook e o Instagram) e seja constante!

Hoje, com tantas informações disponíveis, é preciso se mostrar presente e aparecer com frequência para ser notado.

De stories à reels, publicações e lives, adapte os principais formatos à linguagem da sua empresa e crie conteúdo com frequência!

Dica extra: o consumidor atual valoriza – e muito – a interação, o relacionamento e a atenção! Então, lembre-se de responder e atender com agilidade, focando na conexão com o consumidor.

#2 Crie conteúdo de valor

O conteúdo de valor é uma estratégia muito utilizada e que funciona muito bem para demonstrar ao consumidor que a empresa, muito além de ter produtos e serviços para venda, oferece conteúdos interessantes, informativos e educativos, sem necessariamente citar o produto na postagem.

No caso de uma papelaria, por exemplo, é possível criar conteúdos com dicas como “3 dicas para organizar a sua rotina” ou “Como escolher os materiais escolares para 2022?”.

Assim, o consumidor se interessa pelo conteúdo, percebe que a marca tem domínio na área e as chances de que ele compre se tornam muito maiores! Também garante engajamento – sempre muito bem-vindo, certo?

#3 Vá além das redes: site e blog

Sim, as redes sociais são cruciais!

Mas, lembre-se que muitos consumidores buscam empresas diretamente no Google. Portanto, é importante estar presente em outros canais.

O site é muito importante porque demonstra profissionalismo e funciona como um grande portal da marca, onde o consumidor encontra todas as informações necessárias: endereço, telefone, redes sociais, etc.

Já o blog (anexado ao site) é o espaço perfeito para criar conteúdo de valor no formato de texto. A grande vantagem do blog corporativo é que, além de demonstrar profissionalismo, auxilia no encontro da empresa pelo consumidor, no Google, através do SEO (Search Engine Optimization).

Seguindo o exemplo da papelaria personalizada, um ótimo exemplo seria publicar um artigo explicando as diferenças entre agendas (datadas, não datadas, com ou sem pauta…).

O consumidor, muitas vezes, buscando por “agendas não datadas” pode encontrar o artigo e, automaticamente, conhecer a empresa, o mesmo poderia ser considerado no caso do cliente está procurando por exemplo um cartão de visita de advogado que seria algo mais específico.

#4 Cadastre-se no Google Meu Negócio

O Google Meu Negócio é uma ferramenta gratuita do Google que funciona como uma ficha da empresa, pois contém os dados básicos como imagens, endereço, telefone, etc – ela aparece quando o usuário pesquisa o nome da empresa no Google!

Quando uma empresa está cadastrada no Google Meu Negócio, ganha um espaço de destaque na página principal, na lateral.

Além dos dados básicos citados acima, nesse espaço o cliente tem a possibilidade de avaliar a empresa e deixar um feedback. É uma ótima divulgação!

#5 A experiência importa: brindes e impressos

O marketing digital é essencial! Mas, o tradicional não fica de lado.

Proporcionar experiências com o uso de brindes personalizados auxilia no branding da empresa e gera uma conexão entre marca-cliente, que se sente querido ao ganhar um brinde!

Além disso, o uso dos impressos como panfletos, cartões de visitas e banners é um diferencial importante na divulgação além do digital. Assim, é possível conquistar público de várias maneiras!

Contar com uma gráfica especialista é o principal fator para oferecer materiais gráficos personalizados de qualidade e conquistar o consumidor.

Viu só como o marketing para pequenas empresas pode transformar o seu negócio e é mais simples do que parece? Comece hoje mesmo!

Continue Lendo

Outros

Greenbrier Maxion e AmstedMaxion completam 78 anos de atuação no mercado ferroviário

Publicado

em

As empresas Greenbrier Maxion e AmstedMaxion, originárias da Fábrica Nacional de Vagões (FNV) – a primeira fábrica de vagões do Brasil, estão completando 78 anos de atividades no dia 22 de outubro.  Com tradição, expertise, alta tecnologia e inovação, as empresas estão preparadas para atender os avanços do transporte de carga por ferrovias, previstos para acontecer nos próximos anos, provendo às operadoras. Usuários finais e autorizatários vagões de alta performance para o transporte de todos os tipos de carga, truques, serviços, componentes e rodas ferroviárias, além de componentes para os setores de mineração e de máquinas para construção através das peças produzidas com aço especial.

Atenta a todas mudanças e ao dinamismo do segmento, a Greenbrier Maxion desenvolve e produz todos os tipos de vagões, através de linhas de montagem simultâneas com processos robotizados, robustos e de precisão. Com um portifólio de mais de 30 modelos, desenvolve e produz vagões de carga com projetos customizados atendendo as necessidades de cada cliente, de acordo com a carga a ser transportada e características de cada ferrovia. Com tecnologia diferenciada, os vagões possuem tara reduzida, maior capacidade de carga, maior eficiência energética, confiabilidade, facilidade nas operações de carga e descarga e na sua manutenção, gerando com isso uma redução do custo logístico. Outro grande diferencial dos vagões GBMX é o truque tipo Motion Control® – Truques Premium, desenvolvido especificamente para as condições operacionais e de via permanente das ferrovias brasileiras, proporcionando, através da otimização do comportamento dinâmico do vagão, um aumento significativo da segurança operacional e vida útil dos componentes, além da redução no custo de manutenção.

O desenvolvimento mais recente é o vagão total sider FTT para transporte de celulose, que já está em operação desde fevereiro.  O novo modelo traz várias vantagens em relação aos modelos antigos, tais como: redução da tara do vagão, aumento significativo na capacidade de carga por trem e por vagão, além de melhor ergonomia na operação e aprimoramento da estanqueidade, evitando perda da carga com a entrada de água durante o período de chuvas.  Outro destaque é a maior facilidade no carregamento e descarregamento, que pode ser feito tanto por empilhadeiras quanto por ponte rolante.

Na linha de vagões hoppers, utilizado para o transporte de grãos, açúcar, milho, soja, farelo, fertilizantes, entre outros, o diferencial conta com a tecnologia de carga e descarga automatizadas, que possibilita o acionamento das tampas de carga através de um sistema pneumático. O exemplo mais recente é o vagão hopper HTT para transporte de grãos, desenvolvido com base nas medições dos esforços que ocorrem durante a operação nos principais corredores de grãos e açúcar. Sua estrutura foi otimizada considerando diferentes configurações de trens incluindo desenhos operacionais mais rígidos. Isso resultou numa tara reduzida mesmo com um projeto mais robusto. A nova geração de vagões graneleiros GBMX, além das vantagens com o sistema de carga e descarga, possui melhorias estruturais, aumento de capacidade de carga e eficiência energética.

As famílias de vagões incluem ainda mais 3 tipos: os gôndolas para o transporte de minério de ferro, com destaque para o vagão GDU, de maior capacidade de transporte produzido pela empresa e o primeiro direcionado ao mercado brasileiro; os vagões Plataforma para atender cargas siderúrgicas e contêineres alinhados ou empilhados. Para os contêineres empilhados, a Greenbrier Maxion desenvolveu e produziu o vagão double stack, com possibilidade de operar nas ferrovias com contêineres de 20 e 40 pés, otimizando a capacidade de transporte dos trens de carga em 40%. Além dessa configuração, o modelo permite também que sejam carregados contêineres de 53 pés na parte superior (sobre dois contêineres de 20 pés ou sobre um contêiner de 40 pés); e os vagões Tanque, para transporte de derivados do petróleo, cimento e ácido sulfúricos, entre outros, com maior capacidade volumétrica e menor tara, além de sistemas que agilizam a descarga são as inovações tecnológicas, com destaque para o vagão TCT, o maior tanque do mundo com 118 mil litros, desenvolvido com estrutura autoportante.

Greenbrier Maxion, complementando todo o seu pacote de soluções, possui também uma linha especializada em serviços ferroviários. Instalada em um galpão dedicado, a linha de serviços recebe vagões que necessitam de revisão, manutenção, reforma e transformação. Com isso, as operadoras fiquem livres de preocupações e custos elevados referentes à manutenção, concentrando esforços no foco real de seu negócio. Os serviços são personalizados e pensados para as necessidades específicas de cada cliente, e podem ser realizados de forma modular ou sistêmico, tanto na planta da Greenbrier Maxion quanto nas instalações dos clientes.

A engenharia da Greenbrier Maxion utiliza as ferramentas mais modernas de desenvolvimento de produto como análise estrutural por elementos finitos; estrutura otimizada para condições críticas de operação através de estudo de fadiga e desgaste (software NCODE); dinâmica veicular com foco em segurança e desempenho (software Vampire®); além de validação de projeto em túnel de vento do CTA (vagões com perfil aerodinâmico). Nas inovações em processo, utiliza soldagem robotizada garantindo produtividade, repetibilidade e alta qualidade; equipamento para montagem do vagão que gera automação, controle e segurança; automação para soldagem com Arco submerso permitindo a solda de penetração total e posicionador de vagão para soldagem, proporcionando ergonomia, segurança e excelência.

A fundição AmstedMaxion é referência na fabricação e no fornecimento de fundidos ferroviários e industriais. Utilizando tecnologia de ponta para atender os mercados interno e externo, exportando para países da América do Sul, África, Ásia e Estados Unidos, produz e comercializa uma diversificada linha de fundidos ferroviários para o sistema de truque (travessa, lateral, cunha) e sistema de choque e tração de vagões (ponteira, braçadeira, engate, mandíbula, cruzeta, aparelho de choque). No setor industrial, produz peças de 10 quilos a 5 toneladas, em aço carbono e baixa-liga, completamente usinadas, atendendo setores de mineração, máquinas e equipamentos para construção civil/caminhão fora de estrada e sucroalcooleiro.

Para os componentes do sistema de Choque e Tração, a empresa patenteou um aço de baixa liga, otimizado com performance superior ao aço AAR-M201 grau “E” convencional, com melhor performance em termos de propriedades mecânicas, o que particularmente aumenta a resistência à fadiga. Além disso, utilizando técnicas computacionais avançadas, desenvolveu e está fornecendo Mandíbulas com um novo projeto estrutural, garantindo mais robustez e segurança para o produto e para o processo de fabricação. Feita em aço carbono de alta resistência e tecnologia diferenciada, a peça é homologada pelo teste de fadiga acelerado, seguindo os critérios da Associação Americana de Ferrovias (AAR).

Em sua linha de rodas ferroviárias para vagões e locomotivas, a AmstedMaxion utiliza também o aço especial microligado. Conhecido por sua maior resistência ao desgaste, é produzido com composições químicas especialmente desenvolvidas para que sejam otimizadas suas propriedades mecânicas. Com tratamento térmico específico, apresenta diversas vantagens, incluindo o aumento do limite de escoamento, aumento do limite de resistência, aumento da resistência ao desgaste e também da faixa de dureza, com melhoria significativa na profundidade de endurecimento e, consequentemente, a melhoria da performance da roda em campo. 

A tecnologia e inovação norteiam a cultura e princípios da AmstedMaxion, utilizando sempre as mais avançadas ferramentas e softwares no dia-a-dia, através de recursos próprios e também da transferência de tecnologia e troca de expertise com renomadas empresas, Universidades e Institutos de Pesquisa. Destacamos o FEA no desenvolvimento de produtos e, para a melhoria de processo utilizamos o Solidworks, Pro/E e o Magma, este último exclusivo para o setor de fundição, que simula a solidificação e enchimento das peças, garantindo assim a qualidade e melhoria contínua dos fundidos. O módulo Magma Steel previne a formação de inclusões de reoxidação, analisa a tendência de formação de zonas de segregação de carbono, prevê propriedades mecânicas obtidas no processo de tratamento térmico, além de prever possíveis distorções e tensões durante o processo. Todos estes recursos e análises complexas capacitam a equipe de engenharia a melhorar a assertividade e reduzir o período de desenvolvimento dos fundidos. A empresa, além dos recentes investimentos em maquinário, que ampliaram a capacidade de usinagem da empresa, conta também com equipamentos de ensaios de alta tecnologia para controle das propriedades físico/químicas da areia e do metal e softwares 3D para confecção de ferramentais por CNC. Possui equipamentos para a realização de Ensaios não Destrutivos (END) como ultrassom e inspeção por partículas magnéticas, e realiza tratamento térmico com normalização, têmpera direta, têmpera diferencial e revenido.

Com certificações ISO 14001 e 9001, a AmstedMaxion e a Greenbrier Maxion têm o compromisso o atendimento à legislação vigente e aos requisitos do mercado, o aprimoramento contínuo dos seus produtos, processos e serviços em relação à Qualidade, Segurança do Trabalho e Meio Ambiente, a prevenção e preservação da saúde e proteção do Meio Ambiente e o comprometimento de seus funcionários, terceirizados, fornecedores e clientes.

Para os destaques ambientais temos o programa GHG Protocol, que desde 2012 disponibiliza nosso inventário de emissão de Gases de Efeito Estufa – GEE; Doação de dormentes; Reflorestamento da mata ciliar; Viveiro de mudas nativas na empresa; Certificação desde 2017 de Destaque Ambiental (Selo Verde), entregue pelo Jornal do Meio Ambiente do Estado de São Paulo.

Dentre os programas sociais de destaque, temos o Formare, em parceria com a Fundação Iochpe, voltado a jovens de famílias de baixa renda, com idades entre 17 a 18 anos; Jovem Aprendiz, para jovens em sua primeira experiência profissional; Fábrica Aberta, integrando familiares, comunidade, universidades e escolas técnicas; Programa de Gestantes, que desde 1985 orienta funcionárias, esposas e filhas durante a gestação; e as ações com a comunidade com a doação de mantimentos, roupas, além de máscaras e kits hospitalares no combate à COVID-19. A inclusão e diversidade nos postos de trabalho também avançam a cada ano, com representatividade de negros, mulheres e pcd atuando em diversas áreas da empresa.

Em governança corporativa, destaque para o Programa de Compliance, Due Diligence, e Código de Ética, que regem os padrões éticos, de conformidade e qualidade via auditorias, bem como os Canais de denúncias/manifestações.

História

Fundada em 1943, no governo Getúlio Vargas, a primeira fábrica de vagões do Brasil teve como objetivo fortalecer a indústria nacional e ampliar a ferrovia no Brasil. Em 1990, a FNV foi adquirida pelo grupo brasileiro Iochpe que, em 1998, devido à crescente expansão de suas atividades, decidiu dividir a empresa em duas unidades distintas: a Maxion – Fundição e Equipamentos Ferroviários, voltada para o setor ferroviário e fundição; e Maxion Componentes Estruturais, atuando no setor de autopeças e Implementos Rodoviários.

AmstedMaxion foi formada em 2000, a partir de uma joint venture entre a brasileira Iochpe Maxion e a americana Amsted Industries, com unidades em Cruzeiro e Hortolândia. Em 2015, a fabricante americana de vagões The Greenbrier Companies se tornou acionista na fundição em Cruzeiro-SP e em 2017 majoritária na unidade de vagões em Hortolândia-SP, que passou a ter o nome de Greenbrier Maxion. Em 2018, The Greenbrier Companies aumentou sua participação na AmstedMaxion, e em 2019 a Amsted Rail se tornou majoritária na fundição AmstedMaxion. Hoje, as duas empresas, Greenbrier Maxion e AmstedMaxion, formam a maior operação ferroviária e a solução completa e integrada no setor ferroviário e industrial.

Continue Lendo

Noticias

Publicidade

Youtube

 

PONTE DA ESPERANÇA

Populares