Connect with us

Economia

Pesquisa ProconSP mostra diferença de mais de 300% no material escolar

Portal Hortolândia

Publicado

em

Pesquisa da Fundação ProconSP constatou diferenças de preços de mais de 300% nos itens de material escolar. A maior diferença encontrada em termos percentuais foi de 333% na borracha látex branca da Faber Castell, que em um estabelecimento foi encontrado por R$ 2,60 e no outro por R$ 0,60. Em números absolutos, a maior diferença, de R$ 35,40, foi registrada na caneta hidrográfica Pilot 850L Junior 12 cores. Em um estabelecimento era vendida por R$ 59,90 e em outro, por R$ 24,50.

Segundo a especialista em defesa do consumidor do ProconSP Valéria Garcia, este ano as diferenças continuam muito elevadas. “Principalmente nos itens menores, onde o consumidor não percebe essa diferença. A maior diferença que encontramos foi numa borracha, no entanto, a gente também encontra diferenças significativas em itens maiores como cadernos, por exemplo”.

A pesquisa de material escolar, realizada pelo Núcleo de Inteligência e Pesquisa da Escola de Proteção e Defesa do Consumidor, tem como objetivo oferecer referências de preço por meio dos preços médios obtidos. Foram coletados preços de apontador, borracha, caderno, canetas esferográfica e hidrográfica, colas em bastão e líquida, fita corretiva, giz de cera, lápis preto e colorido, lapiseira, marca texto, massa de modelar, papel sulfite, pintura a dedo, refil para fichário, régua e tesoura escolar nos dias 9, 10 e 11 de dezembro último, em oito estabelecimentos comerciais do município de São Paulo.

Os melhores preços – menores ou iguais aos preços médios obtidos – foram encontrados nas lojas pesquisadas da zona norte da capital. Após comparação de 126 produtos comuns entre as pesquisas realizadas neste ano e no ano passado, constatou-se, em média, acréscimo de 3,71% no preço desses itens. O IPC-SP (Índice de Preços ao Consumidor de São Paulo) da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), referente ao período, registrou variação de 3,50%.

Dicas

A Fundação Procon recomenda aos consumidores, antes de ir às compras, verificar quais dos produtos da lista de material o consumidor já possui em casa e, ainda, se estão em condição de uso, evitando assim compras desnecessárias. Outra dica é promover a troca de livros didáticos entre estudantes, o que também garante economia.

De acordo com a pesquisadora Valéria Garcia, os livros didáticos são os itens que mais encarecem o material escolar. “Mas, dentro da nossa pesquisa [que não fez o levantamento dos livros didáticos] são os cadernos, porque é uma quantidade grande, têm um preço alto e geralmente as crianças e os adolescentes querem os cadernos mais caros”.

Lista

Na lista de material, as escolas não podem exigir a aquisição de qualquer item escolar de uso coletivo, como materiais de escritório, de higiene ou limpeza, por exemplo, conforme determina a Lei nº 12.886 de 26 de novembro de 2013. Também não podem exigir a aquisição de produtos de marca específica.

“Se for material de insumo da escola, que será usado na administração, geralmente não pode, mas se for um material que o aluno vai usar em sala de aula, individualmente, ou em grupo, a escola pode pedir. A gente sempre fala para os pais questionarem a escola se virem na lista material de limpeza. Questionarem a escola ‘vai ser usado em que?’. Por exemplo, pode ser pedido uma escova de dente e pasta dental para ensinar a higiene bucal, ou seja, se for para fins pedagógicos tudo bem, se não for, de forma alguma podem pedir para os pais”, alerta Valéria.

Alguns itens de uso escolar, como lápis, borracha, apontador, compasso, régua, lápis de cor, de cera, cola, caneta, massa de modelar, tinta guache, tesoura entre outros, só podem ser comercializados se apresentarem o selo do Inmnetro. A certificação é obrigatória e garante a qualidade e segurança do produto para uso dos estudantes. Os produtos importados devem seguir as mesmas recomendações dos nacionais, com informações em língua portuguesa.

Alguns estabelecimentos concedem bons descontos para compras em grandes quantidades. Nesse caso, a pesquisadora recomenda efetuar compras coletivas.

O ProconSP alerta ainda que na hora de pagar o material, o consumidor deve sempre verificar se o estabelecimento pratica preço diferenciado em função do meio de pagamento – dinheiro, cheque, cartão de débito, cartão de crédito.

Confira as dicas para a compra do material elaborado pelo Procon no site.

A pesquisa completa pode ser vista no site.

Economia

15 alimentos que ficaram mais caros! Tem como substituir?

Portal Hortolândia

Publicado

em

A conta aumentou, mas, ao sair do mercado, o brasileiro está levando menos itens para casa. É hora de ser criativo para montar o prato

15 alimentos que ficaram mais caros! Tem como substituir?

A conta aumentou, mas, ao sair do mercado, o brasileiro está levando menos itens para casa. É hora de ser criativo para montar o prato

O brasileiro está fazendo um verdadeiro malabarismo para se alimentar. A constante mudança nos preços dos alimentos, geralmente para mais, exige muita criatividade para trocar o arroz e feijão, entre outros itens, do cardápio.

A “culpa” pela alta dos alimentos é uma combinação de dois fatores: o preço das commodities agrícolas, que é dado em dólar, e desvalorização acentuada do real, justamente por conta da alta da moeda americana. 

As flutuações são comuns, mas, num período de crise, ficam ainda mais acentuadas e impactam nas pequenas decisões que a população toma, como qual item vai comprar no mercado para garantir a alimentação da família. 

Saiba como substituir estes alimentos que encareceram nos últimos tempos, segundo dados do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE):

Tomate (+18,69%)

Em alguns períodos do ano, este fruto pode encarecer e pesar no bolso. Felizmente, é possível substituí-lo por outros itens que contenham a substância licopeno, presente nos alimentos vermelhos como goiaba, melancia, morango e caqui. Dá até para fazer um molho para o macarrão. 

Óleo de soja (+17,44%)

Há várias trocas possíveis para o óleo de soja. Para pratos assados, como bolos e tortas, iogurte. Para refogar, use outros óleos vegetais que estiverem mais baratos (coco, girassol, canola) ou manteiga. Para frituras, é possível usar a banha de porco. 

Batata (17,01%)

Unanimidade entre os carboidratos, a batata conta com diversas opções de substituição por outros carboidratos. A batata doce, a mandioquinha, o cará, a mandioca e o inhame são as alternativas para as receitas em que a batata é usada, seja frita, assada ou cozida. 

Arroz (+13,36%)

Mais um vilão do aumento de preços, o arroz não fará falta se for substituído por outro carboidrato. O milho, seja em grãos ou farinha, é uma das opções, assim como os itens feitos de trigo, como a macarronada. Para uma versão saudável, experimente a quinoa.  

Mandioca (+8,31%)

Ótima fonte de carboidratos, a mandioca é um tubérculo 100% brasileiro, muito consumido na região Nordeste do país. Entretanto, caso o item esteja pesando no bolso, a troca pode ser feita por pães, batata doce e inhame. 

Açaí (+6,03%)

Popular no Norte do país como bebida, a troca pode ser feita com suco e outras bebidas típicas da região, como a graviola ou o cupuaçu. Já no Sudeste, o açaí é consumido como sobremesa ou lanche, mas a alternativa é apostar nas frutas. Quando congeladas e batidas no liquidificador, banana, mamão, manga e morango viram uma espécie de sorvete similar ao açaí.

Carne de porco (+5,83%)

Para garantir a proteína na mesa, opte pelos pescados. Cação, merluza e sardinha são algumas saídas. O frango também pode ser consumido para substituir o item, assim como os ovos. 

Vinho (+5,30%)

A bebida vem apresentando um aumento de consumo durante a pandemia e virou um hábito entre a população. Além de adquirir garrafas mais baratas, é possível pela brasileiríssima aguardente, que pode ser consumida em shots, drinks e na famosa caipirinha. 

Contrafilé (+4,46%)

O bom e velho bife encareceu. Para o churrasco ou PF, a dica é escolher carnes bovinas mais baratas, como o músculo, ou acém e a alcatra. Outra alternativa é trocar a carne vermelha pelo frango.

Peito de frango (+3,69%)

O peito costuma ser a parte favorita para o consumo, mas a coxa, sobrecoxa e asa também são deliciosas – e mais baratas. Elas vão bem na churrasqueira, em ensopados e cozidas na pressão. Peixes e ovos são opções para variar o tipo de proteína. 

Açúcar refinado (+3,55%)

Pouco saudável, o açúcar refinado tem o agravante de estar caro. Procure substituições mais saudáveis e econômicas, como o açúcar cristal, o mel e o melado, que, apesar de ser mais caro, rende mais. Aproveite para adquirir o hábito de evitar o açúcar, tomando, por exemplo, o café puro. 

Leite condensado (+3,42%)

Há diversas formas de substituir o uso do ingrediente, dependendo da receita em questão. Em alguns casos, apenas o leite resolve. Em outros, dá para fazer uma versão caseira usando leite em pó ou vegetal e açúcar. O creme de leite também pode ser uma saída para a sua receita. 

Feijão preto (+2,41%)

Há uma boa variedade de grãos para substituir o feijão, como a lentilha, o grão de bico, a ervilha e a soja. Dependendo da região do Brasil, é possível encontrar outros tipos de feijão mais baratos, como o carioca, o fradinho e o branco. 

Queijo (+2,41%) 

A troca do queijo por outro alimento pode ser feita de diversas formas. Em um sanduíche, adicione salada. Numa lasanha, faça o recheio à bolonhesa. Para petiscar, que tal amendoim? Vá adaptando conforme o cardápio. 

Café (+1,82%)

É praticamente impossível ficar sem o cafezinho, mas quem deseja economizar também conta com opções de substituição. Os chás escuros, como o preto, o mate e o verde, são ricos em cafeína e proporcionam a tão desejada energia.

Se você preferir, pode recorrer ao supermercado online, existem alimentos que podem estar até mais baratos do que nas gôndolas normais. 

Continue Lendo

Economia

Cinco dicas para gastar menos com o gás de botijão

Portal Hortolândia

Publicado

em

O preço do botijão de gás está em alta em todo o país. Desde o início do ano, já foram anunciados quatro reajustes no preço para as distribuidoras, levando a um impacto direto no bolso dos brasileiros. Para enfrentar esse aumento é importante fazer uso inteligente do gás na cozinha, e com cuidados simples na hora de preparar as refeições é possível diminuir o gasto da família com a compra do botijão.

Confira algumas dicas para te ajudar a economizar gás no dia a dia.

Pré-aqueça o forno apenas o tempo necessário.
Muitos preparos realizados em forno requerem um pré-aquecimento, mas as boas receitas indicam quanto tempo e em qual temperatura a pessoa deve realizá-lo. Por isso, é fundamental prestar atenção na informação correta, para não deixar mais tempo que o necessário e desperdiçar gás.

Use a panela correta
Algo que acontece com muita frequência, na correria do dia a dia,é não usar as panelas de tamanho correto para o alimento que se está cozinhando. Por exemplo, se utilizar uma panela maior do que o essencial, sem que o alimento preencha todo o fundo, parte do calor é desperdiçado e acaba-se gastando gás à toa. Panelas antigas, com amassos ou fundo gastos, também atrapalham o processo e consomem mais gás.

Pesquise na hora de comprar
Quando o gás acaba no meio do preparo do almoço ou jantar, a urgência para repor o botijão fala mais alto e, em muitos casos, a família acaba não pesquisando, paga mais caro ou adquire um produto de qualidade inferior. Hoje já existem formas práticas e rápidas de fazer a pesquisa aliando preço e qualidade, como o Chama. Pelo site (chama.com.br) ou pelo aplicativo é possível comparar ofertas, marcas e tempos de entrega em diferentes revendedores, fazer o pedido e receber o gás em casa sem frete ou taxa extra.

Utilize o vapor
Enquanto se está fazendo algum alimento, é possível utilizar o vapor que está saindo da panela para cozinhar legumes, por exemplo. Tudo o que precisa é uma escorredora metálica. Cortar a comida em pedaços menores também ajuda, pois ficará pronto mais rápido.

Mantenha o forno fechado
Muita gente tem o costume de ficar abrindo o forno frequentemente quando se está usando para cozinhar algo, porém, isso faz com que ele perca calor e a temperatura interna diminui, levando o fogão a ter que trabalhar mais tempo para terminar o cozimento.

Sobre o Chama
O Chama é um marketplace que conecta clientes a revendedores de botijões de gás. Lançada em dezembro de 2016, a empresa reúne em um único ambiente mais de 2.000 revendedores regulamentados pela Agência Nacional do Petróleo (ANP). Em apenas alguns cliques o usuário pode solicitar o serviço oferecido pela empresa e escolher o fornecedor que mais lhe agradar – selecionando informações como: preço cobrado, tempo de entrega e marca do produto. O serviço está presente em São Paulo, Brasília, Recife, Florianópolis, Belo Horizonte, Curitiba e Porto Alegre.

Continue Lendo

Economia

Copom eleva juros básicos da economia pela primeira vez em seis anos

Portal Hortolândia

Publicado

em

Em meio ao aumento da inflação de alimentos que começa a estender-se por outros setores, o Banco Central (BC) subiu os juros básicos da economia pela primeira vez em quase seis anos. Por unanimidade, o Comitê de Política Monetária (Copom) elevou a taxa Selic de 2% para 2,75% ao ano. A decisão surpreendeu os analistas financeiros, que esperavam uma elevação para 2,5% ao ano.

Com a decisão de hoje (17), a Selic subiu pela primeira vez desde julho de 2015, quando tinha sido elevada de 13,75% para 14,25% ao ano. A taxa permaneceu nesse nível até outubro de 2016, quanto o Copom voltou a reduzir os juros básicos da economia até que a taxa chegasse a 6,5% ao ano em março de 2018. Em julho de 2019, a Selic voltou a ser reduzida até alcançar 2% ao ano em agosto de 2020, influenciada pela contração econômica gerada pela pandemia de covid-19. Esse foi o menor nível da série histórica iniciada em 1986.

Inflação

A Selic é o principal instrumento do Banco Central para manter sob controle a inflação oficial, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Em fevereiro, o indicador fechou em 5,2% no acumulado de 12 meses, pressionada pelo dólar e pela alta nos preços de alimentos e de combustíveis.

O valor está próximo do teto da meta de inflação. Para 2021, o Conselho Monetário Nacional (CMN) tinha fixado meta de inflação de 3,75%, com margem de tolerância de 1,5 ponto percentual. O IPCA, portanto, não podia superar 5,25% neste ano nem ficar abaixo de 2,25%.

No Relatório de Inflação divulgado no fim de dezembro pelo Banco Central, a autoridade monetária estimava que, em 2021, o IPCA fecharia o ano em 3,4% no cenário base. Esse cenário considera uma eventual alta da inflação no primeiro semestre, seguida de queda no segundo semestre.

A projeção não está mais em linha com as previsões do mercado. De acordo com o boletim Focus, pesquisa semanal com instituições financeiras divulgada pelo BC, a inflação oficial deverá fechar o ano em 4,6%. No fim de março, o Banco Central atualizará a projeção oficial no próximo Relatório de Inflação

Crédito mais caro

A elevação da taxa Selic ajuda a controlar a inflação. Isso porque juros maiores encarecem o crédito e desestimulam a produção e o consumo. Por outro lado, taxas mais altas dificultam a recuperação da economia. No último Relatório de Inflação, o Banco Central projetava crescimento de 3,8% para a economia em 2021. A projeção pode ser revisada nos próximos relatórios, que saem no fim de cada trimestre.

O mercado projeta crescimento menor. Segundo a última edição do boletim Focus, os analistas econômicos preveem contração de 3,23% do Produto Interno Bruto (PIB, soma dos bens e serviços produzidos pelo país) neste ano.

A taxa básica de juros é usada nas negociações de títulos públicos no Sistema Especial de Liquidação e Custódia (Selic) e serve de referência para as demais taxas de juros da economia. Ao reajustá-la para cima, o Banco Central segura o excesso de demanda que pressiona os preços, porque juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança.

Ao reduzir os juros básicos, o Copom barateia o crédito e incentiva a produção e o consumo, mas enfraquece o controle da inflação. Para cortar a Selic, a autoridade monetária precisa estar segura de que os preços estão sob controle e não correm risco de subir.

Em comunicado, o Banco Central informou que o reajuste da Selic reduz a probabilidade de não cumprimento da meta de inflação deste ano e ajuda a manter as expectativas para horizontes mais longos. Segundo o Copom, a estratégia é compatível com o cumprimento da meta em 2022, mesmo em um cenário de aumento temporário do isolamento social.

O BC adiantou que pretende elevar os juros em mais 0,75 ponto percentual na próxima reunião do Copom, em 4 e 5 de maio. “Para a próxima reunião, a menos de uma mudança significativa nas projeções de inflação ou no balanço de riscos, o Comitê antevê a continuação do processo de normalização parcial do estímulo monetário com outro ajuste da mesma magnitude”, ressaltou o texto.

fonte ebc

Continue Lendo

Populares