Connect with us

Coluna

Apostar é tão antigo quanto a própria humanidade

Avatar de Redação Portal Hortolândia

Published

on

dados

Goste ou não, atualmente quase 20 times de futebol exibem alguma marca de sites de apostas no campeonato brasileiro movimentando, segundo levantamento do EL País, algo em torno de R$ 10 bilhões anualmente.

Muito se considerarmos a brevidade na qual se estabeleceu essa marca, uma vez que a lei 13. 756 que regula o mercado de apostas data de dezembro de 2018, até então limitadas as corridas de cavalos.

Anuncio


Os primeiros registros de apostas foram encontrados no Egito Antigo e seus instigantes jogos de tabuleiros. Outro marco é o surgimento das cartas de baralho na China. Isso mesmo, o seu truco de domingo, assim como o macarrão, tem os dedinhos dos chineses e remonta aos séculos XII e XIII.

Evidentemente há países onde as apostas não são legalizadas, por motivos religiosos, como a Indonésia e a Arábia Saudita, no entanto, no Brasil o jogo é proibido desde o Código Criminal do Império de 1830.

Advertisement

A ciência sempre possibilitou um avanço no negócio de apostas, tão logo surgiu a Teoria da Probabilidade, os processos começaram a ser percebidos como algo profissional, sofisticado, bem diferente da crença anterior que atribuía o resultado à mera vontade divina. Daí, surgem na Europa os primeiros cassinos, entre eles o Cassino de Veneza no século XVII, e as pequenas casas de jogos vão se sofisticando cada vez mais no Velho Mundo.

É nos Estados Unidos, como sempre acontece com tudo, que o jogo se populariza e atinge um novo patamar ao sair dos subterrâneos para a Las Vegas que todos conhecemos hoje. Estima-se que a indústria do jogo nos EUA movimente, atualmente, algo em torno de US$ 40 bilhões.

O avanço da tecnologia e o surgimento das plataformas on-line, baseadas em apostas principalmente no futebol e no e-sports, fez com que todas as empresas do setor, grandes ou pequenas, nacionais, regionais, ou multinacionais, voltassem os olhos ao imenso mercado emergente brasileiro e abriu uma nova corrida do ouro no setor. 

A lei por aqui veda a aposta em jogos de azar, que seriam aquelas nas quais há interferência do realizador do evento, como por exemplo o crupiê em uma rodada de pôquer. Essa diferenciação na legislação brasileira recentemente acendeu um alerta nas federações esportivas que voltaram seus olhos para a questão da manipulação de resultados e a responsabilização dos infratores.

Advertisement

Há de se entender que apostar, jogar, ou qualquer outro nome que se dê a isso, é um direito individual que leva diversão entretenimento e felicidade para alguns desde os primórdios. A regulamentação justa da atividade que deriva dessa liberdade é fundamental para beneficiar o país como um todo e os jogadores, governos e casas de apostas em particular, gerando um novo ciclo de riqueza sob o escrutínio público e aplicação das leis vigentes no país.

*Mateus Lemos é proprietário da BBM, agência de publicidade e marketing de diversas plataformas de apostas esportivas.

COMPARTILHE NAS REDES SOCIAIS
Compartilhar no Facebook

Lei Proibida a reprodução total ou parcial, sem autorização previa do Portal Hortolandia . Lei nº 9610/98

Coluna

A alimentação e a economia circular 

Avatar de Redação Portal Hortolândia

Published

on

Dia Mundial da Alimentação

Você já se perguntou de onde vem a comida que vai parar no seu prato? Se aquilo que você come vem de perto ou não? Se é mesmo saudável ou fresco? De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), os alimentos in natura, ou minimamente processados, são a base ideal de uma alimentação adequada. Eles são obtidos diretamente de plantas ou animais, com o mínimo ou nenhum tipo de processamento.

Ao sairmos em busca desses ingredientes nas compras, nossa preocupação deve se estender para além do sabor e da qualidade. Ponderamos o preço dos produtos, a distância até o local de compra, o tempo de deslocamento, o que engloba a emissão de carbono neste transporte, e diversos outros fatores que fazem parte da equação de um consumo mais sustentável. Estes são somente alguns dos muitos aspectos que nos possibilitam pensar a relação entre alimentação e Economia Circular.

Anuncio


Ao falarmos sobre economia circular na alimentação, não podemos deixar de mencionar a importância de reduzir o desperdício e repensar o ciclo de vida dos alimentos. Isso inclui a maneira como lidamos com resíduos e embalagens. A busca por alimentos não embalados, ou que utilizem embalagens sustentáveis, em conjunto com a redução do desperdício são elementos-chave desta equação.

Ao olharmos para o nosso prato de comida, todos os dias, devemos celebrar. Ele é resultado do trabalho de dezenas, centenas de pessoas em parceria com o ambiente. Conhecer cada melhor toda essa cadeia, da produção ao eventual descarte, deve nos fazer refletir sobre questões éticas relacionadas à disponibilidade, ao acesso e, ao mesmo tempo, a todo o desperdício que ainda existe.

Advertisement

Afinal, a circularidade não se limita apenas à produção de alimentos, mas também ao que fazemos com as sobras de comida e embalagens após o consumo. A adoção de práticas de “lixo zero” em nossas casas e o apoio a iniciativas de reciclagem e reutilização de embalagens contribuem significativamente para a construção de uma economia mais circular e sustentável.

Podemos e devemos fazer melhores escolhas todos os dias. É um aprendizado permanente na direção de zerar a quantidade de resíduos que produzimos e garantir acesso a alimentação saudável e de qualidade para todos. Ou seja, uma alimentação circular enquanto garantia de qualidade ambiental e direito humano.

*Edson Grandisoli é embaixador e coordenador pedagógico do Movimento Circular, Mestre em Ecologia, Doutor em Educação e Sustentabilidade pela Universidade de São Paulo (USP), Pós-Doutor pelo Programa Cidades Globais (IEA-USP) e especialista em Economia Circular pela UNSCC da ONU. É também co-idealizador do Movimento Escolas pelo Clima, pesquisador na área de Educação e editor adjunto da Revista Ambiente & Sociedade.

Advertisement

COMPARTILHE NAS REDES SOCIAIS
Compartilhar no Facebook

Lei Proibida a reprodução total ou parcial, sem autorização previa do Portal Hortolandia . Lei nº 9610/98
Continue Reading

Coluna

A vida é muito curta para ser pequena

Avatar de Redação Portal Hortolândia

Published

on

clube-luta

Temos empregos que odiamos para comprar coisas que não precisamos.

Tyler Durden, de “O clube da Luta”

Anuncio


Outro dia eu tinha dezessete anos, estava aprovado no vestibular e tinha a vida toda pela frente; hoje acordei com sessenta anos e, olhando para trás, percebi que “de zero a dez” minha vida é no máximo nota quatro.

É verdade que tenho filhos de caráter e formação extraordinários, mas o mérito é grandemente da Celinha, do Notre Dame e da espiritualidade que envolvia a escola, do CISV, que abriu um mundo de possibilidades para eles e das relações afetivas e acolhedoras da família.

Advertisement

Transcrevo os versos do Cazuza, Poeta da minha geração, para descrever o que senti na manhã que acordei surpreso com sessenta anos:

Os meus sonhos
Foram todos vendidos
Tão barato que eu nem acredito
Ah, eu nem acredito

Que aquele garoto que ia mudar o mundo
Mudar o mundo
Frequenta agora
As festas do Grand Monde

Fato é que o tempo aqui no planeta é bem curtinho e acabamos desperdiçando o nosso tempo em coisas das quais não gostamos e deixando “para depois” aquilo que de fato amamos, sentimento sintetizado pelo poema dos Titãs:

Advertisement

Devia ter amado mais
Ter chorado mais
Ter visto o sol nascer
Devia ter arriscado mais
E até errado mais
Ter feito o que eu queria fazer

Devia ter complicado menos
Trabalhado menos
Ter visto o sol se pôr
Devia ter me importado menos
Com problemas pequenos
Ter morrido de amor

Devia ter complicado menos
Trabalhado menos
Ter visto o sol se pôr

Assustado com a minha condição de idoso – definida pela Lei Federal 10741/2003, mais conhecida como Estatuto do Idoso -, tenho “pensado na vida”, no caminho que percorri, no caminhar e nas companhias.

Advertisement

A nossa vida é marcada pelo tempo e pelo medo, pelo tempo que nos resta e pelo medo de não alcançarmos sucesso; tenho tido flashes de momentos que tiveram ou tem significado na caminhada; lembrei de uma conversa que tive com o meu tio Chico dentro da piscina da casa dele; ele me perguntou: “Você está feliz com a faculdade, gostando do curso?”, respondi afirmativamente, mas ressalvei “tenho medo apenas da mediocridade”; ele respondeu: “esse é um medo bom. Estude, estude mais e depois estude mais um pouco, mas não apenas Direito”, depois desse conselho o medo passou.

Mas o fato é que, aos sessenta anos, o tempo que gastei, cooptado pela lógica médio-classista, me fez correr atrás de coisas que não tem relevância alguma; e, o que mais tem “doído”, é a certeza de que gastei tempo demais colocando meu apenas o conhecimento e a alma para solucionar questões que não me diziam respeito, especialmente no âmbito profissional; e a retribuição? nada além dos honorários e algumas vezes nem isso.

O susto me alertou não apenas de que a vida é curta, mas que eu gastei tempo demais com coisas desnecessárias; a ideia de finitude e mortalidade não me perturba, apenas não quero mais gastar tempo de forma equivocada. A consciência da mortalidade não é negativa, pois como disse o Cortella: “é essa consciência que nos desperta da letargia”, algumas pessoas, contudo – e não são poucas – se distraem em relação a isso e como escreveu Chico Buarque:

Vida, minha vidaOlha o que é que eu fizDeixei a fatia mais doce da vidaNa mesa dos homens de vida vaziaMas, vida, ali, quem sabe, eu fui feliz

Advertisement

Tive uma sócia, de triste lembrança, que dizia: “não conheço ninguém que goste tanto de voltar para casa após o trabalho”, ela dizia isso porque, raramente, eu participava de happy hours; de fato, prefiro voltar para casa; gostava de encontrar os meninos, a Celinha, o Jow, o Tommy, o Ditão e o Marreta (nossos cachorros, que estiveram conosco por todo o tempo de suas vidas), meus livros e o caos criativo e criador que uma casa cheia de histórias nos oferece.

Passei tempo demais vivendo uma vida pequena, no ritmo das pequenas coisas falsamente urgentes e deixando de lado o que é de fato importante. Podemos ser condescendes conosco – o que é, inclusive uma tendência humana, tão humana -, e dizer que vivemos um tempo quem que tudo é apressado, que temos uma agenda lotada de compromissos profissionais e sociais, que a conectividade exige de nós insanidade, etc e tal; tudo isso é verdade, mas o fato é que tudo na vida são escolhas nossas.

Escolhas ruins, nos levam a caminhos ruins e a resultados piores ainda.

Observo as novas gerações, escravos e escravas do número de “likes” e “unlikes” que se tem, isso faz com que haja não só ausência de tempo, mas uma perda de tempo. Não se trata de afirmar que toda rede social e tecnologia é ruim e seja, em si, uma perda de tempo, mas a não utilização com parcimônia, inteligência e uma medida boa, faz com que se perca um tempo imenso ao dar retorno apenas para não chatear a outra pessoa. Isso faz com que, a vida que é curta, vá se apequenando exatamente pela ausência de capacidade de cuidar daquilo que é importante. Mas a questão do uso da tecnologia vamos tratar noutro momento.

Advertisement

A reflexão de hoje caminha, mesmo que caótica, para chegar a uma frase de Benjamin Disraeli, 1.º Conde de Beaconsfield, que foi um político Conservador britânico, escritor, aristocrata, além de Primeiro-Ministro do Reino Unido em duas ocasiões: “A vida é muito curta para ser pequena”.

Pedro Benedito Maciel Neto, 60, advogado e pontepretano, sócio da www.macielneto.adv.br[email protected]

COMPARTILHE NAS REDES SOCIAIS
Compartilhar no Facebook

Lei Proibida a reprodução total ou parcial, sem autorização previa do Portal Hortolandia . Lei nº 9610/98
Continue Reading

Coluna

Combate à Prostituição Infantil: Desafio Brasileiro

Avatar de Redação G.

Published

on

prostituicao

O Brasil enfrenta um desafio persistente no combate à prostituição infantil, um problema social grave que afeta crianças e adolescentes em todo o país. Segundo dados da Polícia Federal, as ocorrências de exploração sexual de menores têm mostrado números alarmantes, exigindo ações efetivas tanto das autoridades quanto da sociedade civil. A prostituição infantil, além de ser um crime hediondo, viola direitos fundamentais, colocando em risco o futuro de muitos jovens brasileiros.

A complexidade desse fenômeno é evidente, dada a sua relação intrínseca com fatores como pobreza, falta de educação e vulnerabilidade social. Em muitos casos, crianças são coagidas ou seduzidas para a prática, encontrando na prostituição uma falsa saída para problemas econômicos e familiares. O governo brasileiro, em parceria com organizações não-governamentais, tem desenvolvido programas de prevenção e conscientização, visando educar a população sobre os perigos e as consequências legais envolvidas.

Anuncio


As operações de repressão, lideradas pela Polícia Federal em conjunto com as polícias estaduais, são fundamentais para o combate direto à prostituição infantil. Através de investigações e ações de inteligência, muitas redes de exploração sexual de menores têm sido desarticuladas. Estas operações frequentemente revelam a conexão de tais redes com outros crimes, como tráfico de drogas e lavagem de dinheiro, ampliando o escopo da luta contra a exploração sexual infantil.

A legislação brasileira é rigorosa no que diz respeito à prostituição infantil. A pena para quem explora sexualmente crianças e adolescentes pode chegar a 10 anos de prisão. No entanto, a eficácia da lei depende de sua aplicação consistente e de um sistema judiciário ágil. O fortalecimento das instituições responsáveis por garantir a justiça é, portanto, um aspecto crucial na luta contra essa chaga social.

Advertisement

Além da ação governamental e policial, é essencial o envolvimento da sociedade. A conscientização pública sobre a gravidade da prostituição infantil e a promoção de uma cultura de proteção aos direitos das crianças e adolescentes são passos fundamentais para erradicar esse mal. O engajamento da mídia, a educação e o apoio da comunidade são ferramentas valiosas nesse processo.

COMPARTILHE NAS REDES SOCIAIS
Compartilhar no Facebook

Lei Proibida a reprodução total ou parcial, sem autorização previa do Portal Hortolandia . Lei nº 9610/98
Continue Reading

Noticias

curso profissionalizante de Soldador curso profissionalizante de Soldador
Cursos12 horas ago

Inscrições gratuitas para curso profissionalizante de Soldador em Hortolândia

Estão abertas as inscrições para o curso profissionalizante de Soldador em Hortolândia. Ao todo, serão oferecidas 60 vagas, distribuídas em...

Hospital Municipal de Hortolândia Hospital Municipal de Hortolândia
Nossa Cidade12 horas ago

Hospital Municipal de Hortolândia faz procedimento inédito em paciente de 1 ano de idade

Um marco importante foi alcançado recentemente no Hospital Municipal de Hortolândia “Mario Covas”, onde foi realizado, pela primeira vez, a...

Novo espaço de lazer Novo espaço de lazer
Nossa Cidade12 horas ago

Novo espaço de lazer com quadra de futsal é entregue em Hortolândia

Um Novo espaço de lazer foi entregue na manhã de sábado (20) em Hortolândia! Estou falando da Praça da Vila...

qualifica-sp qualifica-sp
Cursos14 horas ago

Estado lança programa Meu Primeiro Emprego

A Secretaria de Desenvolvimento Econômico está com 4.275 vagas de cursos remotos abertas para todos os municípios do estado de...

Hortolândia Hortolândia
Nossa Cidade14 horas ago

“Nova prefeitura” de Hortolândia já tem data de inauguração prevista

A construção do novo Paço Municipal de Hortolândia avança em ritmo acelerado, aproximando-se cada vez mais da realidade. Situada na...

banco de alimentos banco de alimentos
Nossa Cidade14 horas ago

17 anos do Banco de Alimentos: celebração desta data será na próxima quinta-feira (25)

Na próxima quinta-feira (25), a partir das 14h, Hortolândia celebrará o aniversário de 17 anos de criação do BAH (Banco...

mudas e adubo orgânico mudas e adubo orgânico
Nossa Cidade15 horas ago

Saiba como retirar mudas e adubo orgânico gratuitamente em Hortolândia

Se você deseja retirar mudas e adubo orgânico de forma gratuita em Hortolândia, vá até o Viveiro Municipal “Antônio da...

Advertisement
cinema

Populares