13 de junho de 2024
São Paulo

Suzano investirá R$ 1,66 bilhão em novas linhas de produção

suzano

Suzano, maior produtora mundial de celulose de mercado e referência global na fabricação de bioprodutos desenvolvidos a partir do cultivo de eucalipto, anunciou na quinta-feira (27) um conjunto de projetos que ampliará a capacidade instalada de produção e aumentará a eficiência operacional da companhia. Serão investidos R$ 650 milhões na construção de uma fábrica de papel Tissue a ser instalada no município de Aracruz (ES). No mesmo local, a Suzano desembolsará R$ 520 milhões na substituição de uma caldeira de biomassa em um de seus maiores complexos fabris de produção de celulose. Além disso, a empresa destinará R$ 490 milhões a um projeto para ampliar a oferta de celulose fluff na Unidade Limeira (SP).

O investimento total de R$ 1,66 bilhão, anunciado junto à divulgação do balanço do terceiro trimestre de 2023, está alinhado às avenidas estratégicas de negócio da Suzano e reforça o compromisso da companhia em adequar constantemente suas operações à demanda dos mercados brasileiro e global.

“A competitividade da Suzano na produção de papéis sanitários e de celulose Fluff e o crescimento desses mercados no longo prazo, fruto da mudança nos hábitos de consumo, fundamentam a estratégia de fortalecimento da nossa presença nesses segmentos. Somos líderes no mercado brasileiro de papéis higiênicos e pioneiros na produção de celulose Fluff a partir do eucalipto, por isso precisamos estar sempre prontos para atender nossos clientes”, afirma o presidente da Suzano, Walter Schalka.

O papel Tissue é utilizado na confecção de itens de higiene e limpeza como papel higiênico, guardanapo, papel toalha e lenços umedecidos. Já a celulose Fluff é a matéria-prima de produtos absorventes e de higiene pessoal como fraldas infantis e adultas, absorventes femininos e tapetes para pets. As novas produções de Fluff e Tissue estarão disponíveis ao mercado até o final de 2025 e no primeiro trimestre de 2026, respectivamente, e adicionarão 340 mil toneladas de Fluff e 60 mil toneladas de Tissue à capacidade da Suzano.

O terceiro investimento anunciado pela Suzano representa mais uma etapa do processo de modernização da Unidade Aracruz. A nova caldeira de biomassa aumentará a eficiência da fábrica, ampliando a estabilidade da unidade e resultando em ganhos ambientais à operação. O equipamento, cujo início de operação está previsto para o quarto trimestre de 2025, utiliza biomassa para a produção de vapor, que por sua vez é usado no processo de celulose e na geração de energia.

Os projetos foram apresentados durante o Suzano Investor Day, realizado no dia 27 de outubro. Na mesma oportunidade, a companhia detalhou resultado do terceiro trimestre, que foi beneficiado por nova queda do custo caixa de produção para R$ 861 por tonelada, em meio a um período ainda marcado pelos menores preços da celulose no mercado global. Diante desse cenário, a Suzano reportou EBITDA ajustado de R$ 3,7 bilhões e geração de caixa operacional de R$ 1,9 bilhão. A comercialização de celulose totalizou 2,5 milhões de toneladas e as vendas de papéis atingiram 331 mil toneladas. A receita líquida do período somou R$ 8,9 bilhões e, na última linha do balanço, a companhia registrou resultado líquido negativo de R$ 729 milhões, em decorrência do efeito da desvalorização cambial ocorrida no trimestre que impactou a parcela da dívida em dólar e derivativos.

Entre janeiro e setembro, a Suzano investiu R$ 14,4 bilhões, dos quais R$ 6,3 bilhões destinados à construção de uma fábrica de celulose em Ribas do Rio Pardo (MS). Conhecido como Projeto Cerrado, ele entrará em operação até junho de 2024, ano do centenário da Suzano.

Lei Proibida a reprodução total ou parcial, sem autorização previa do Portal Hortolandia . Lei nº 9610/98