Connect with us

São Paulo

Falta de chuvas pressiona Sistema Cantareira em São Paulo

Publicado

em

Uma cartilha divulgada hoje (18) pelo Consórcio Intermunicipal das Bacias dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí (PCJ) alerta para o fato de a redução da média histórica de chuvas nos últimos anos ter mantido os reservatórios do Sistema Cantareira em níveis abaixo do necessário. Segundo o consórcio, desde a crise hídrica de 2014, o armazenamento de água no sistema não voltou aos níveis seguros para evitar desabastecimento.

O Sistema Cantareira é o maior manancial da Região Metropolitana de São Paulo, com capacidade de 973,9 bilhões de litros de água, e abastece diretamente 10 milhões de pessoas.

“O recomendado é que, após o período das chuvas mais intensas, entre os meses de março e abril, os níveis de armazenamento do Sistema Cantareira estejam no mínimo na ordem de 75%” ressalta o texto da cartilha. Em 2020, o volume nos reservatórios nessa época do ano correspondia a 64,6% do total e nos anos anteriores havia sido ainda menor.

Isso acontece porque desde 2017 as chuvas nas cabeceiras dos rios que abastecem o sistema têm ficado abaixo dos 1,5 mil milímetros anuais, média histórica antes da crise hídrica. Em 2020, choveu 23,2% menos do que o esperado.

“Em 2021 o Sistema Cantareira adentrou o ano com apenas 36% de reservação de água e com baixa expectativa de recomposição de seu volume até março/abril, quando deverá atingir seu volume de reservação máxima”, alerta a cartilha.

O consórcio alerta ainda que a região metropolitana tem crescimento populacional constante e já sofre com eventos climáticos extremos, como a estiagem de 2014, ligados às alterações do clima no mundo. “Desde então [crise hídrica], o sistema não se recuperou completamente, fato que evidencia o reflexo da incidência dos eventos climáticos extremos e do comportamento das chuvas, que tem ocorrido em menor volume na região”.

Previsões

O consórcio traçou quatro possíveis cenários para este ano. Na previsão mais otimista, os reservatórios do Cantareira encerrariam o ano com 44,2% da capacidade útil. Na pior previsão, o sistema teria apenas 18,4% do volume útil total no fim do ano.

“Não teremos falta de água nas Bacias PCJ para o ano de 2021, porém, novamente não atingiremos os níveis recomendados de armazenamento de água, fato que nos apresenta um sinal de alerta principalmente pela baixa incidência de chuvas constatadas nos últimos anos”, avalia o consórcio.

Recomendações

Para manter a segurança hídrica na região, o consórcio recomenda uma série de políticas que permitam mais armazenamento de água e melhor uso do recurso. Entre as medidas sugeridas, estão os parques alagáveis e piscinões ecológicos que além de reduzir o impacto de inundações, permitem o armazenamento de água.

O consórcio também aponta como ação efetiva incentivos do Poder Público para que residências e empresas tenham cisternas para armazenar água da chuva, destinada a usos menos nobres, como limpeza de piso e rega de jardim.

fonte ebc

São Paulo

Batata e frango são os grandes vilões no aumento da cesta básica em Agosto

Publicado

em

Levantamento mensal feito pelo Núcleo de Inteligência e Pesquisas do Procon-SP em convênio com o Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese) revela alta de 1,15% no valor da cesta básica do paulistano. O preço médio que em 30 de julho era R$ 1.064,79 passou para R$ 1.077,01 em 31 de agosto.

O grupo Alimentação apresentou a maior variação, 1,25%. Higiene Pessoal teve alta de 0,49% e Limpeza, de 0,28%. A variação no ano é de 6,86% (base: dezembro/20).

Os produtos que mais subiram foram:

Batata (kg) 27,30%

Limpador Multiuso (500 ml) 11,29%

Frango Resfriado Inteiro (kg) 9,98%

Biscoito Maisena (pacote 200g) 9,84%

Biscoito Água e Sal (pacote 200g) 7,73%

E as maiores quedas foram:

Cebola (kg) -5,83%

Alho (kg) -5,04%

Biscoito Recheado (pacote 130/150g) -2,75%

Creme Dental (tubo 90g) -2,57%

Carne de Primeira (kg) -2,50%

Dos 39 produtos pesquisados, na variação mensal, 23 apresentaram alta, 15 diminuíram de preço e 1 permaneceu estável.

Veja a pesquisa completa aqui.

Variação anual – óleo de soja foi o produto que apresentou a maior alta (69,91%)

A pesquisa realizada regularmente pelo Procon-SP e Dieese aponta ainda que de agosto do ano passado – quando o valor da cesta era de R$ 888,79 – para agosto desse ano o aumento foi de 21,18%.

O produto que apresentou o maior aumento no período foi o óleo de soja (900 ml), 69,91%.

Veja aqui.

Continue Lendo

São Paulo

Bolsa do Povo tem inscrição até domingo em 68 unidades

Publicado

em

Ainda dá tempo de se inscrever no Bolsa do Povo Educação CPS em 62 Escolas Técnicas (Etecs) e 6 Faculdades de Tecnologia (Fatecs) estaduais – veja lista abaixo. Nas demais unidades, o prazo termina nesta sexta (17). Pais, mães e responsáveis legais de alunos matriculados nas Escolas Técnicas Estaduais (Etecs) têm até domingo (19) para se candidatar pela internet ao benefício de R$ 500 pagos durante seis meses, podendo ser prorrogado até 31 de dezembro de 2022.

A ideia é que os bolsistas auxiliem as equipes gestoras das unidades do Centro Paula Souza no cumprimento do protocolo sanitário adotado para permitir o retorno facultativo dos estudantes às aulas presenciais. Serão quatro horas de trabalho diário. Além de gerar renda e amenizar os impactos da pandemia, a iniciativa permite aproximar as famílias da escola, o que gera benefícios para toda a comunidade escolar.

Para se candidatar a uma bolsa, é preciso ser o responsável legal por um aluno de Etec; ter entre 18 e 59 anos; estar desemprego há, pelo menos, três meses; não ter comorbidades associadas à Covid-19 e residir no município onde está localizada a unidade em que o candidato pretende ser bolsista. É possível se inscrever em até três Etecs ou Fatecs.

As inscrições devem ser feitas pelo site bolsadopovo.sp.gov.br, clicando no ícone Centro Paula Souza. Cada candidato receberá pontos, de acordo com os pré-requisitos que cumprir. Os selecionados serão entrevistados pelo diretor da unidade e a concessão do benefício precisa ser chancelada pelo Núcleo Regional de Administração do CPS.

A expectativa é que os bolsistas selecionados passem por uma capacitação e comecem a atuar na primeira quinzena de outubro. Serão concedidas 2.368 bolsas, distribuídas por todas as Etecs e Fatecs do Estado. Cada unidade do Centro Paula Souza terá, no mínimo, quatro beneficiários. Os recursos para os primeiros seis meses são da ordem de R$ 7,1 milhões.

Confira as unidades que tiveram prorrogação no prazo de inscrição do Bolsa do Povo:

Etecs Araçatuba, Prof. Fausto Mazzola (Avaré), Cel. Raphael Brandão (Barretos), Rodrigues de Abreu (Bauru), Doutor Renato Cordeiro (Birigui), Astor de Mattos Carvalho (Cabrália Paulista), Machado de Assis (Caçapava), Prof. Marcos Uchôas dos Santos Penchel (Cachoeira Paulista), Paulo do Carmo Monteiro (Caieiras), Prof. Luiz Pires Barbosa (Cândido Mota), Albert Einstein (Capital), Carolina Carinhato Sampaio (Capital), Guaianazes (Capital), Parque da Juventude (Capital), Prof Horácio Augusto da Silveira (Capital), Takashi Morita (Capital), Tereza Aparecida Cardoso Nunes de Oliveira (Capital), Vila Formosa (Capital), Zona Leste (Capital), Caraguatatuba, Carapicuíba, Elias Nechar (Catanduva), Professor José Sant’Ana de Castro (Cruzeiro), Dep. Paulo Ornellas Carvalho de Barros (Garça), Monsenhor Antonio Magliano (Garça), Prof. Alfredo de Barros Santos (Guaratinguetá), Hortolândia, Vereador e Vice-Prefeito Sérgio da Fonseca (Ibitinga), Ilha Solteira, Martinho Di Ciero (Itú), Joaquim Ferreira do Amaral (Jaú), Prof. Urias Ferreira (Jaú), Cidade do Livro (Lençóis Paulista), Trajano Camargo (Limeira), Mairinque, Prof. Matheus Leite Abreu (Mirassol), Euro Albino de Souza (Mogi-Guaçu), Prof. Marines Teodoro de Freitas Almeida (Novo Horizonte), Etec Professor José Carlos Seno Júnior (Olímpia), Professor Andre Bogasian (Osasco), Amin Jundi (Osvaldo Cruz), João Gomes de Araújo (Pindamonhangaba), Tenente Aviador Gustavo Klug (Pirassununga), Dr. Luiz César Couto (Quatá), Dep. Francisco Franco Chiquito (Rancharia), Registro, Orlando Quagliato (Santa Cruz do Rio Pardo), Lauro Gomes (São Bernardo do Campo), Jorge Street (São Caetano do Sul), Philadelpho Gouvea Netto (São José do Rio Preto), Professora Ilza do Nascimento Pintus (São José dos Campos), São Sebastião, Rubens de Faria e Souza (Sorocaba), Prof. Terezinha Monteiro dos Santos (Taquarituba), Dr. Dário Pacheco Pedroso (Taquarivaí), Sales Gomes (Tatuí), Dr. Geraldo José R. Alckmin (Taubaté), Professora Nair Luccas Ribeiro (Teodoro Sampaio), Dr. Nelson Alves Vianna (Tietê), Prof. Massuyuki Kawano (Tupã), Vargem Grande do Sul e Frei Arnaldo Maria de Itaporanga (Votuporanga). Fatecs Americana, Assis, Franco da Rocha, Jacareí, Mogi Mirim e Pompeia.

Continue Lendo

São Paulo

Estado de São Paulo reduz ICMS para bares e restaurantes

Publicado

em

Alíquota de 3,2% beneficiará 250 mil empresas do setor, que poderão pagar dívidas, reinvestir, contratar mais trabalhadores e estimular a economia

O Governo do Estado de São Paulo anunciou, nesta quarta-feira (15), a redução do ICMS de bares e restaurantes. A medida, divulgada em coletiva, no Palácio dos Bandeirantes, integra o Retoma SP, programa de meio bilhão de reais em investimentos para os setores mais afetados durante a pandemia da COVID-19. A iniciativa levará às 16 regiões administrativas do estado a maior oferta de serviços e programas para impulsionar a economia das cidades paulistas.

O secretário da Fazenda e Planejamento, Henrique Meirelles, ressaltou que São Paulo adota uma série de medidas para apoio e incentivo aos setores que mais sofreram com a pandemia, principalmente os que dependem de um trânsito grande de pessoas e fluxo de clientes, e, portanto, tendem a sofrer mais.

Com a redução do ICMS para bares e restaurantes, a alíquota passou de 3,69% para 3,2%. A medida, que representa uma redução de custo de até 13% para o setor, é fruto de meses de diálogo entre o Governo de São Paulo e o setor e irá beneficiar 250 mil empresas que poderão pagar dívidas, reinvestir, contratar mais trabalhadores e estimular a economia.

O regime especial de tributação permitirá, a partir de 1º de janeiro de 2022, a aplicação de alíquota de 3,2% sobre a receita bruta de bares e restaurantes, em substituição ao regime de apuração do ICMS. A iniciativa representa uma renúncia fiscal de R$ 126 milhões pelo Estado.

“É um passo importante no processo de retomada da economia. Uma medida bem pensada, com responsabilidade fiscal e analisada em todos os aspectos relevantes”, afirma Meirelles.

Ainda de acordo com o secretário, São Paulo deve crescer entre 7% e 8% em 2021. “É a economia paulista funcionando como motor do crescimento do país, na medida em que São Paulo vende e compra de todos os Estados. Então, impulsiona toda a economia brasileira e evita que o país entre num estado de estagnação nessa saída da pandemia.”

Continue Lendo

Populares