Connect with us

Policial

Polícia investiga sequestro contra menino de 9 anos no Jardim Novo Ângulo

Publicado

em

cuidados com a segurança dos filhos

A Polícia Civil de Hortolândia investiga o sequestro de um menino de apenas nove anos. A mãe da criança acredita que o crime se deu como represália de comerciantes da região, visto que o único “pedido de resgate” foi o fechamento de uma padaria que pertence à genitora, E. F. F., de 33 anos. O caso aconteceu na manhã da última sexta-feira, no Jardim Novo Ângulo, em Hortolândia.

De acordo com informações da Polícia Civil, a mãe da criança e uma amiga, C. F. U. K., de 54 anos, abriram um comércio no Jardim Nova América, há aproximadamente um mês. Depois de aproximadamente uma semana em funcionamento, houve um furto na padaria.

Durante a madrugada, o comércio foi arrombado, de onde foi furtado salgados e refrigerantes. Já na manhã, as vítimas encontraram um bilhete com ameaças de morte. O recado mandava as vítimas fecharem o estabelecimento.

CRIME

Publicidade

Dias depois, um homem magro, moreno, alto, usando uma máscara do “homem aranha”, entrou no estabelecimento e, sob forte ameaça de arma de fogo, roubou R$ 130 do caixa e trancou a mãe da criança em um banheiro da padaria.

Antes de fugir, o criminoso deixou um bilhete com novas ameaças contra as comerciantes em cima do balcão. No bilhete estava escrito que as sócias tinham o prazo máximo de sete dias para fechar a padaria, caso contrário, iriam seqüestrar o filho de E. F. F.

Na última sexta-feira, venceu o prazo para as comerciantes fecharem o estabelecimento. No entanto, as mesmas preferiram continuar trabalhando com o comércio no jardim Nova América.

Por volta das 6h40, a irmã mais velha da criança, levou o menino até a escola em que ele estuda, no Jardim Novo Ângulo. Ao chegar ao estabelecimento de ensino, a garota deixou o menino na porta, segundo boletim de ocorrência, “antes mesmo de ver se ele entrou na aula”.

Publicidade

Já por volta das 12h, a mãe do menor recebeu um telefone em que uma voz masculina afirmou que, por não ter fechado a padaria, a criança havia sido sequestrada. O bandido obrigou a vítima a fechar o estabelecimento, caso contrário, mataria a criança.

Assim que recebeu a ligação, E. F. F. fechou a padaria e procurou a Polícia Civil do Município, onde registrou boletim de ocorrência. A genitora passou toda a sexta-feira sem nenhuma informação sobre a criança.

Na noite de sexta-feira, a criança chegou a casa após ser libertada pelos bandidos próxima a um supermercado, no Jardim Malta. O menino foi caminhando até sua residência, onde segundo a própria mãe, “chegou em estado de desespero, chorando bastante”.

A criança, ainda segundo a genitora, três bandidos a abordou em frente a escola, colocando-a dentro de um veículo. De acordo com o menino, os criminosos dirigiram por bastante tempo, até chegar ao cativeiro. Durante todo o percurso, o menor estava amordaçado e vendado.

Publicidade

A própria criança afirmou não ter sido vítima de nenhuma violência, fato constatado no Hospital Municipal Mário Covas, onde a criança passou por exames.
“A Polícia Civil conversou com o meu filho e o levou ele para o IML (Instituto Médico Legal) onde não foi constatada nenhuma violência.

Reportagem: Thiago Alves | Hortolândia


// ]]>

Publicidade

Policial

GM detém donos de tabacaria com drogas e por suspeita de entregar a menores produtos que causam dependência, em Hortolândia

Publicado

em

Por

A Guarda Municipal de Hortolândia prendeu no início da madrugada deste domingo dois homens, de 19 e 22 anos, donos de uma tabacaria com uma série de irregularidades no bairro Jardim São Sebastião. A GM ao vistoriar o local, localizaram com os homens porções de maconha e cocaína e ainda são suspeitos de entregar a adolescentes no produtos que causam dependência.

De acordo com a Guarda, eles foram  acionados para atender a uma ocorrência de perturbação de sossego e, quando chegaram ao local, encontraram cerca de 150 pessoas, sendo ao menos 35 delas menores de idade.

Quando as viaturas chegaram, depararam com adolescente  de 16 anos com sinais de embriaguez e passando mal. Ela precisou ser socorrida por uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência e foi levada à UPA Jardim Rosolem.

Os Guardas Municipais conduziram os proprietários da tabacaria e os menores à Delegacia de Hortolândia. Os homens tiveram a prisão em flagrante decretada, enquanto os menores foram liberados aos responsáveis.

Publicidade

O caso foi registrado como posse de entorpecentes, entrega de produtos que causam dependência a adolescentes e desobediência. A Polícia Civil dará sequência às investigações, com auxílio de exames periciais realizados pelo Instituto de Criminalística e Instituto Médico Legal.

Continue Lendo

Policial

GM interdita Tabacaria no Interlagos

Publicado

em

policia

Dois homens que promovia a festa foram presos em flagrante por tráfico de drogas, aliciação de menores ao uso de álcool e desobediência.

De acordo com a Guarda, por volta de 00h30min a GM foi acionada no Jd. Interlagos para atender uma denúncia de perturbação do sossego devido a um som alto em uma residência. Quando os Gms chegaram depararam com uma festa em uma tabacaria denominada “Castro”, onde se encontrava aproximadamente 250 pessoas no interior.

Em contato com os proprietários eles impediram os GMs de acessar o estabelecimento alegando que os GMs não tinham mandado judicial. Devido constatar que havia ilícito, assim como lista de presença e cobrança de uma taxa de R$10,00, porém sem controle de menoridade, os Gms usaram de meios moderados e entraram no local.

As buscas no interior resultaram em apreensão de drogas, dinheiro, bebida alcoólica e 35 menores de idade que participavam sem nenhum controle.

Publicidade

O estabelecimento funcionava de forma irregular, sem alvará e condições sanitárias caótica, uma vez que não havia infraestrutura adequada para atividade comercial.

Os GMs conduziram os menores, assim como os promotores da festa, para o plantão policial e reportaram os fatos à Autoridade Policial. Assim, foi ratificado a prisão em flagrante dos responsáveis pelo comércio irregular, tendo o local foi lacrado pelos GMs e feito uma notificação de multa de R$4.094,00 por Perturbação do Sossego Público para a proprietária do estabelecimento.

Continue Lendo

Policial

Polícia Federal apura fraudes contra o INSS

Publicado

em

policia-federal

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta quinta-feira, 30/06, a operação Custo Maior, com objetivo de aprofundar investigações sobre irregularidades na concessão de benefícios e estrutura de consultoria de atendimento por atravessadores a segurados do INSS.

As investigações são resultado de um esforço conjunto da Polícia Federal, Ministério Público Federal e da Coordenação-Geral de Inteligência Previdenciária e Trabalhista (CGINT) do Ministério do Trabalho e Previdência (MTP), em conjunto com o INSS. O trabalho teve como base análises de materiais apreendidos na operação Custo Previdenciário (deflagrada em 2018, em Campinas).

A apuração demonstrou que havia mais pessoas envolvidas e não identificadas na operação anterior, que se relacionavam diretamente com servidor do INSS que já foi demitido e condenado pela Justiça Federal.

As irregularidades e infrações legais constatadas foram: atendimento privilegiado com dispensa de senha ou de comparecimento pessoal quando exigido; reunião externa (em restaurante, lanchonete e posto de abastecimento em rodovia) inclusive em finais de semana e períodos noturnos; coleta ou entrega de documentos fora da agência do INSS; retenção e armazenamento de documento em locais não autorizados; manipulação da agenda (postergando ou antecipando data); cálculos em desconformidade com a legislação e inserção de informações falsas no sistema da Previdência Social.

Publicidade

No total, durante a investigação, foram identificados 13 novos benefícios com ações destes atravessadores, e que já foram pagos pelo INSS, somando o valor aproximado de R$ 2.180.000,00 de prejuízo à União.

Na data de hoje, foram cumpridos 2 mandados de busca e apreensão, expedidos pela 9ª Vara Federal em Campinas, nas residências dos investigados que, atualmente, são residentes no município de São Paulo/SP.

Estima-se que a investigação e a cessação dos 13 benefícios identificados evitaram o prejuízo à União próximo a R$ 9.160.000,00.

O nome da operação (Custo Maior) faz alusão ao acréscimo do impacto das fraudes à Previdência Social em relação à fase anterior denominada Custo Previdenciário, que já havia evitado mais de R$ 4.200.000,00 em fraudes.

Publicidade

Os investigados responderão, na medida de suas condutas, pelos delitos de inserção de dados falsos no banco de dados e de associação criminosa, cujas penas podem chegar a 15 anos de prisão.

Continue Lendo

Noticias

Publicidade

Populares