Connect with us

Nossa Cidade

Prefeitura ampliará quantidade de frutas, verduras e legumes servidos na merenda escolar

Publicado

em

Produtos provenientes da Agricultura Familiar beneficiarão 40 mil alunos

A Prefeitura de Hortolândia fará, ainda neste semestre, chamamento público para a inclusão de mais de 40 produtos provenientes da agricultura familiar nos cardápios da merenda escolar. A meta da Secretaria de Educação, Ciência e Tecnologia é utilizar, no mínimo, 30% dos valores mensais gastos com alimentação na compra de produtos mais nutritivos e de alta qualidade, beneficiando mais de 40 mil alunos de escolas públicas, municipais e estaduais. A Administração entende que investir em merenda é investir em educação.

[ad id=”14221″]

Atualmente, quatro itens deste tipo são oferecidos na merenda: banana, goiaba, alface e chicória. A fornecedora conveniada, a Cooperativa de Produção e Comercialização Assentamento Sumaré, reúne 78 agricultores inscritos. Duas vezes por semana, quatro caminhões da Prefeitura saem carregados de alimentos que serão entregues em unidades escolares municipais e estaduais.

Publicidade

Entre os itens que serão incluídos no novo chamamento público estão

abóbora, abacate, acelga, abobrinha, beterraba, brócolis, batata-doce, rúcula, berinjela, cenoura, tangerina, chuchu, caqui, espinafre, couve-flor, inhame, tomate, laranja, mandioca, manga, maracujá, pepino, rabanete e repolho.

Ampliação dos investimentos

De acordo com a Lei nº 11.947, de 16 de junho de 2009, ao menos 30% dos recursos recebidos do governo federal via PNAE (Programa Nacional de Alimentação Escolar) deveriam ser investidos nos produtos da agricultura familiar. No entanto, em 2016, a gestão passada investiu somente 7,26% neste fim.

Publicidade

A situação, constatada pelo CAE (Conselho de Alimentação Escolar), foi questionada por meio de ofício enviado à Prefeitura. “No início do ano, conversamos com a atual gestão, que se comprometeu em ampliar os itens para atingir a meta. Vou com frequência ao assentamento e tenho acompanhado toda semana o transporte dos alimentos e percebemos a mudança”, afirma a presidente do CAE, Enieli Moira Longhi.

Além da mudança nas quantidades, mudou também a logística de transporte. Agora, após pesagem e separação no próprio assentamento, os alimentos são colocados em caixas etiquetadas, na quantidade certa destinada a cada escola. Antes a separação era feita em Hortolândia, num dos espaços da Secretaria.

“Adorei a mudança e as conselheiras também”, afirma Moira. “O alimento é muito bom, mais natural, tem um sabor maravilhoso. Minha filha, que antes não comia goiaba, agora come. Além disso, a compra dos produtos de origem familiar tem um aspecto social importante, de incentivo à agricultura”, avalia.

Em fevereiro deste ano, mesmo com menos dias letivos e com o feriado do Carnaval, a Prefeitura atendeu o percentual mínimo dos 30% da meta mensal. Em março, os gastos com os produtos da agricultura familiar atingiram a marca de 38%. Nos dois meses, somados, foram adquiridas 32,335 toneladas de alimentos vindos da agricultura familiar: 18,531 toneladas de goiaba, 11,846 toneladas de banana, 1,073 tonelada de chicória e 0,885 tonelada de alface.

Publicidade

Para o secretário de Educação, Ciência e Tecnologia, Fernando Moraes, a nova política de educação municipal, além de pensar na base curricular, visa aumentar, ainda mais, a saúde dos alunos, melhorar o aprendizado e incentivar hábitos de alimentação saudável. “Primeiro que a agricultura familiar, além da qualidade dos produtos, faz parte da política de economia solidária. Muito mais que a obrigatoriedade de atingir a meta dos 30%, é importante valorizarmos os agricultores da região, investirmos em produtos de qualidade e, consequentemente, na saúde dos alunos”, ressaltou o secretário.

O secretário ainda valorizou outros aspectos do investimento. “Com o novo chamamento público e com a inclusão de mais itens, teremos não só uma melhora na merenda, mas no aproveitamento e rendimento escolar dos alunos”, avalia.

Para o nutricionista da Secretaria, Marlon Zanardi, responsável pelo convênio, “o programa é importante, pois possibilita que os alunos tenham acesso a frutas e verduras frescas, melhorando o valor nutricional da alimentação escolar e ainda promove o fortalecimento da agricultura familiar”. Além disso, ressalta Zanardi, “os alunos também são multiplicadores de conhecimento e levarão para casa hábitos de alimentação saudável, praticados na escola”.

Segundo a presidente do Conselho, a ampliação da quantidade de itens traz ainda outro benefício: a diversidade dos alimentos que compõem os cardápios. “Com isso, a gente consegue ter variedade, o que é muito importante. Os estudantes do Fundamental, que antes só comiam maçã e banana, agora comem também goiaba. Antes na salada tinha acelga. Agora entrou também alface e chicória. Não tem monotonia no cardápio”, destaca.

Publicidade

PNAE

Implantado em 1955, o PNAE garante, por meio da transferência de recursos financeiros, a alimentação escolar dos alunos de toda a educação básica (Educação Infantil, Ensino Fundamental, Ensino Médio e EJA-Educação de Jovens e Adultos) matriculados em escolas públicas e filantrópicas.

O objetivo é atender as necessidades nutricionais dos alunos durante sua permanência em sala de aula, contribuindo para o crescimento, o desenvolvimento, a aprendizagem e o rendimento escolar dos estudantes, bem como promover a formação de hábitos alimentares saudáveis.

A Lei nº 11.947/2009 determina a utilização dos recursos repassados pelo FNDE para alimentação escolar, na compra de produtos da agricultura familiar e do empreendedor familiar rural ou de suas organizações, priorizando os assentamentos de reforma agrária, as comunidades tradicionais indígenas e comunidades quilombolas.

Publicidade

A aquisição de gêneros alimentícios é realizada, sempre que possível, no mesmo município das escolas, mas, se não houver, as escolas poderão utilizar a demanda entre agricultores da região, território rural, estado e país, nesta ordem de prioridade.

Nossa Cidade

Em Hortolândia, vandalismo nos abrigos de ônibus é infração do código de posturas e sujeito à multa

Publicado

em

Valores  aplicados pela Prefeitura variam de R$ 122,80 a R$ 2.047,00

A Prefeitura de Hortolândia realiza modernização nos abrigos de ônibus em todas as regiões da cidade.  De acordo com a Secretaria de Mobilidade Urbana, já foram instalados mais de 150 novos abrigos. Além da mudança das estruturas, os abrigos garantem comodidade e mais segurança aos usuários do transporte público. Os novos abrigos possuem espaço para cadeirante e piso podotátil para deficientes visuais, assim como bancos reforçados para obesos e pictograma que sinaliza a reserva de vaga para PCD (Pessoa com Deficiência). 

Para manter os abrigos conservados, é necessária a colaboração da população. Vandalizar os abrigos com pichações, colar cartazes e danificar ou quebrar as estruturas é infração do código municipal de posturas . O infrator fica sujeito às penalidades definidas em lei. Os valores das multas variam de 30 (trinta) UFMH equivalente a R$ 122,80  a 500 UFMH  (quinhentas) equivalente a R$ 2.047,00. Ao flagrar este tipo de situação, o municípe pode acionar a Guarda Municipal pelos telefones 153 / 08000-111-580.

 

Publicidade

Este artigo foi enviado pela Prefeitura de Hortolandia

Continue Lendo

Nossa Cidade

Formação para professores da rede municipal de ensino mostra como recuperar perdas na aprendizagem causadas pela pandemia

Publicado

em

Cerca de 50 profissionais da Educação Básica participam da atividade, nesta terça e quarta-feira (05 e 06/07)

 

Cerca de 50 professores da rede municipal de ensino participam, nesta terça e quarta-feira (05 e 06/07), da formação “Fortalecimento contínuo de aprendizagem: saberes em foco”, promovida pela Prefeitura de Hortolândia, por meio da Secretaria de Educação, Ciência e Tecnologia, no Centro de Formação dos Profissionais em Educação “Paulo Freire”, no Remanso Campineiro. A capacitação tem como objetivo primordial contribuir para a recuperação das aprendizagens essenciais das crianças não consolidadas na pandemia. A atividade é ministrada pelas professoras Cristiane Begalli, Cristiane Santos e Elizandra Marinho. 

A formação atende ao que é preconizado no artigo 24 da LDB (Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional) 9394/96 e contribui para ampliar as estratégias que garantam a continuidade da aprendizagem por parte dos alunos municipais, considerando as dificuldades pedagógicas trazidas pela pandemia do Coronavírus. 

Publicidade

De acordo com a Secretaria de Educação, Ciência e Tecnologia, apesar de todo o esforço realizado pelos profissionais da Educação, durante os dois anos iniciais da pandemia, verificou-se que havia crianças em condição de defasagem em relação aos processos de aprendizagem de Língua Portuguesa e Matemática. A situação foi detectada ainda em outubro de 2021, após aplicação de atividade diagnóstica, no retorno presencial às aulas na rede municipal de Hortolândia.

Com a realização do programa, a Prefeitura busca mitigar defasagens e promover a recuperação paralela complementar, voltada a crianças com baixo rendimento escolar, com foco na alfabetização e na superação das dificuldades de aprendizagem nas disciplinas de Língua Portuguesa e Matemática.

“É um programa de reforço para garantir a melhoria de aprendizagem dos alunos da nossa rede, até em razão de todo o processo que tivemos da pandemia. Muitos alunos tiveram ou apresentaram alguma dificuldade por causa disso. Então, para sanar as dificuldades dos alunos, principalmente na questão da alfabetização, esse programa vem para ajudar”, afirma a professora Cristiane Begalli.

De acordo com a professora Cristiane Santos, para otimizar o ensino e a aprendizagem, uma das propostas, a ser implantada no segundo semestre letivo, é formar agrupamentos com, no máximo, 10 crianças. Essas crianças serão reavaliadas constantemente com o objetivo de repensar as estratégias de ensino para o alcance individual de cada criança.

Publicidade

Este artigo foi enviado pela Prefeitura de Hortolandia

Continue Lendo

Nossa Cidade

Apresentações festivas marcam encerramento de semestre letivo no Cier em Hortolândia

Publicado

em

Cerca de 230 estudantes e profissionais da Educação participaram das comemorações, realizadas nesta terça-feira (05/07), na quadra da escola, no Jd. Santo André

 

Eventos festivos e lúdicos, na quadra da escola, marcaram o encerramento das atividades do primeiro semestre letivo deste ano no CIER (Centro Integrado de Educação e Reabilitação) Romildo Pardini, unidade escolar da Prefeitura de Hortolândia, no Jardim Santo André, voltada ao atendimento de estudantes com deficiências múltiplas. As apresentações do espetáculo “Vila do Chaves em: enfrentando a pandemia, que saudades da escola!” aconteceram nesta terça-feira (05/07), nos períodos matutino e vespertino, e reuniram estudantes e profissionais da unidade, totalizando cerca de 230 pessoas.

“Eu quero que o mundo conheça o CIER e que o CIER conheça o mundo!”, afirmou a terapeuta educacional da unidade, Ângela Rocha, que conduziu as apresentações, buscando envolver a todos. Especialistas, professores, educadores e estudantes vestiram-se a caráter e atuaram nas apresentações. 

Publicidade

“Eu gostei da apresentação. A gente se despediu da Neusa hoje e quinta-feira passada. A gente fez homenagem pra ela hoje. Eu gostei de me apresentar. Minha família veio e assistiu. Eu fui o Kiko”, comentou Diogo de Souza, de 27 anos, estudante do CIER, referindo-se à monitora Neusa Uliana, que solicitou aposentadoria.

“Eu fiquei muito emocionada com a apresentação, porque ano passado o Felipe teve COVID-19. Eu quase o perdi. Então, vê-lo se apresentar hoje me emocionou muito. Saber que estamos vencendo essa batalha também está sendo ótimo. Ver Felipe se apresentando com as outras crianças foi muito importante”, ressaltou Solange Santos, mãe do estudante Felipe Santos, de 12 anos.

Este artigo foi enviado pela Prefeitura de Hortolandia

Publicidade
Continue Lendo

Noticias

Publicidade

Populares