Andar de bicicleta pelas ruas de Hortolândia/SP exige muitos cuidados. Quem se aventura a ir trabalhar sobre duas rodas, por exemplo, encontra desafios que vão desde a falta de ciclovias, até trechos em que a via exclusiva de ciclistas não é respeitada.

Ao todo são 4 míseros quilômetros de vias identificadas para ciclistas no município. Porém, de acordo com o ciclista David Strobell, a ciclovia não é respeitada por motoristas no trecho do corredor metropolitano.

“Diariamente passo pelo corredor metropolitano para ir a ETEC, mas os carros estacionam na ciclovia, principalmente perto das lanchonetes e do comércio. Fica ruim quando a gente pede para eles saírem, muitos ignoram, é como se a gente estivesse errado.”

Por conta da falta de respeito dos motoristas, andar entre os carros fica perigoso para o ciclista. David conta que já se envolveu em alguns acidentes por conta disso.

Além disso, a má conservação das vias também prejudica. “A ciclovia vive suja e esburacada e isso é um descaso”, completa.

Gerson Henrique é líder do grupo de cicloturismo “Amigos da Bike” ele costuma pedalar com os amigos. Ele conta que o principal problema que enfrenta são além da falta de respeito das pessoas que estacionam na ciclovia, são os buracos. “Tem lugares que não podemos nem chamar de ciclovia de tão esburacado e mal sinalizado que é. Ainda por cima são muitos desníveis e outros obstáculos para os ciclistas.”

Nas principais avenidas da cidade como a Avenida da Emancipação, Anhanguera, Estrada da Granja, Ana Cecon Breda, São Francisco de Assis, Avenida Brasil, com grande fluxo de veículos e, consequentemente de ciclistas, não há ciclovias e/ou ciclofaixas. Para cruzar a Avenida da Emancipação por exemplo é preciso ir pela mato, no local não há acostamento.

Quem anda pela calçada encontra postes bem no meio do passeio, pontos de ônibus e muitos desníveis. Já pelo acostamento, carros e caminhões passam bem próximo do ciclista.

Apesar disso, o Cicloativista, Walther Barros, descreve que o poder público tem ignorado as revindicações dos ciclistas. “Estamos enfrentando muitas dificuldades com o poder publico no que se refere as questões do cicloturismo na cidade, recentemente a ponte estaiada foi inaugurada com a promessa de que havia uma ciclovia no local, isso foi até divulgado na publicidade oficial; na prática a ciclovia não existe; este é apenas um exemplo do que estamos vivendo por aqui. Nossa intenção é colaborar com a Prefeitura, apontar alternativas. Sonhamos com uma cidade sustentavelmente viável, queremos ajudar o nosso Prefeito na elaboração de politicas publicas, sabemos que 1 bike na rua significa um carro a menos poluindo o meio ambiente, nossa cidade tem o menor território da RMC, é possivel interligar todas as regiões da cidade, esta na hora de abandonarmos as politicas publicas ultrapassadas e olharmos para o futuro, aguardamos o contato do secretário de mobilidade urbana para que possamos levar essas demandas.” Finaliza.

Os ciclistas de Hortolândia realizarão no próximo dia 15 de junho ás 9h da manhã um “Passeio Protesto” para cobrar da Prefeitura de Hortolândia mais ciclovias, o grupo se concentrará em Frente a Havan na Avenida da Emancipação.