Saúde & Beleza

Como fazer a melhor dieta para queimar gordura

gordura

Pense na alimentação como fosse um investimento, ou seja, quando você está em déficit calórico, você só tem uma quantidade limitada de calorias para usar por dia.

Logo o mais correto que você pode fazer é investir nos alimentos com o melhor custo-benefício.

Em uma dieta para queima de gordura, esses alimentos seriam os que mantém você satisfeito e possuem menos calorias.

É isso que fará você ficar em déficit calórico com maior facilidade (e com menos fome).

Agora, para fazer isso acontecer na prática, há três passos simples que se você conseguir manter todos os dias, isso permitirá com que você extraia o máximo das calorias permitidas no seu déficit calórico.

1 – Sirva-se de comidas volumosas e menos calóricos

Poucas comidas possuem a habilidade de preencher seu estômago com maior facilidade e ao mesmo tempo não fornecer muitas calorias. Isto, em contrapartida, ativa receptores de estiramento das paredes do estômago, fazendo seu corpo pensar que você já está cheio. Neste caso, literalmente.

Alimentos volumosos também fazem você mastigar por mais tempo (arroz integral) e aumentam o tempo que leva para fazer uma refeição.

Apesar de parecer irrelevante (ou contraditório), o fato de você se alimentar lentamente faz você se sentir satisfeito antes.

Além disso, e o mais interessante, é que você pode comer mais desses alimentos, pois eles contém menos calorias.

Ou seja, é uma situação sem pontos negativos: você se sentir com menos fome e ainda pode comer mais, sem medo de cometer deslizes, pois você se sentirá cheio rapidamente.

Melhores alimentos volumosos para incluir na dieta

Agora, para escolher os melhores alimentos volumosos e com baixa densidade calórica, basta mirar para os ricos em água e fibra.

Veja, a maioria das frutas e vegetais possuem bastante fibra, água e poucas calorias.

Claras de ovo, carnes magras, peixes, iogurte grego e batata doce, também entram nessa.

Por outro lado, repare que a maioria dos alimentos processados, possuem pouca fibra, água e muita caloria.

Basicamente, o ponto que quero chegar é para optar por alimentos volumosos e baixa densidade calórica.

2 – Controle o consumo de gorduras boas

Gorduras boas costumam ser o tendão de aquiles da maioria das dietas para queimar gordura, pois muitos alimentos saudáveis são ricos em gorduras.

Mas isso não significa que eles não possam ser calóricos.

Basicamente, é muito fácil “contrabandear” calorias através de gorduras boas e depois não entender porque não está perdendo peso. Afinal, você estava comendo alimentos saudáveis, não é?

Entenda. Gorduras são o oposto dos alimentos volumosos que falamos.

Por exemplo: 5 nozes possuem a mesma quantidade de calorias do que 25 morangos.

Qual deles é mais fácil comer em excesso, sem perceber?

Pois é.

Alimentos ricos em gorduras (sejam elas boas ou não), são menos volumosos, mas muito mais calóricos.

Aqui a recomendação não é evitá-los, mas tomar cuidado redobrado na contagem de calorias ao usá-los na dieta.

Jamais confie em medidas padrões como “uma colher de sopa”.

Uma colher de sopa cheia de pasta de amendoim é interpretado de forma totalmente diferente por cada pessoa.

Portanto use a balança digital para fazer suas medidas.

Além disso, em termos de redução de apetite, a maior parte das calorias deverão vir dos alimentos fibrosos.

3 – Limite a ingestão de calorias líquidas

Se fosse possível declarar o pior tipo de alimento para alguém que queira queimar gordura, este alimento seria qualquer um que possua calorias líquidas.

Eles são os que menos saciam a fome e que mais podem possuir calorias.

Na verdade, há estudos mostrando que líquidos contendo calorias podem distender o estômago mais do que alimentos sólidos ao mesmo tempo que geram uma resposta mais fraca do corpo em relação a se sentir cheio.

Basicamente, você consegue tomar mais líquidos sem se sentir tão cheio como se sentiria ao comer a mesma quantidade, mas através de alimentos sólidos.

Tá, e o que são “calorias líquidas”?

Refrigerantes com açúcar, sucos de fruta, smoothies, vitaminas de fruta e qualquer outro tipo de mistura líquida que contenha caloria.

É válido reforçar que a qualidade do alimento não está em cheque aqui, mas sim a quantidade de calorias que ele pode fornecer.

Uma pessoa desavisada pode ler “sucos de fruta” e achar um absurdo fazer “mal” tomá-lo.

A questão está apenas na quantidade de calorias que ele pode fornecer e quão fácil é exagerar. Só isso.

Em vez disso, experimente usar suas alternativas sólidas. Comer a fruta em vez de tomar o suco ou fazer uma vitamina, e por ai vai.

fonte: BlogHipertrofia

Para mais notícias, eventos e empregos, siga-nos no Google News (clique aqui) e fique informado

Lei Proibida a reprodução total ou parcial, sem autorização previa do Portal Hortolandia . Lei nº 9610/98