emprego

Dados do Ministério da Economia apontam São Paulo com a maior geração de emprego, correspondendo a 37,3% do total

O Estado de São Paulo gerou 104.707 vagas de emprego formais em maio deste ano, de acordo com dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgados pela Secretaria de Trabalho do Ministério da Economia. Isso significa que 37,3% das vagas criadas no país foram em São Paulo.

Em maio ocorreram 526.921 admissões e 422.214 desligamentos no estado, o que representa uma tendência positiva: foram 14,2% mais admissões e 2,4% menos desligamentos em relação a abril. No acumulado do ano, a criação de empregos formais soma 389,5 mil postos no estado.

“A forte recuperação da economia de São Paulo produz efeitos no mercado de trabalho”, afirma o secretário da Fazenda e Planejamento, Henrique Meirelles. “Isto é o mais importante: gerar empregos e renda”

O setor de Serviços, um dos mais afetados pela pandemia, foi a atividade que puxou o saldo positivo, com 38.075 empregos gerados. Em seguida estão as atividades Agricultura, pecuária e pesca, com 32.675 vagas; Comércio, com 21.388; Indústria geral, com 10.023; e Construção, com 2.546 postos de trabalho a mais em maio.

Meirelles afirma que a vacinação tem sido um fator fundamental para a retomada da economia e do emprego. “A vacina libera as pessoas para trabalharem mais livremente, injeta confiança na economia, faz as empresas voltarem a investir e contratar”.

A geração de empregos é um reflexo do crescimento econômico de São Paulo, que deve superar os 7% este ano, de acordo com projeção da Fundação Seade. É o resultado da vacinação acelerada no estado, além de uma série de medidas tomadas nos últimos dois anos, entre elas a busca de investimentos nacionais e estrangeiros no estado, um plano estruturado de enfrentamento da pandemia na área econômica e a adoção de medidas que tornam mais simples fazer negócios no Estado.

O mercado de trabalho por grupos
Em maio, a geração de emprego formal foi maior para os homens, com o saldo de 57.464 vagas, enquanto para as mulheres foi de 47.243. Por faixa etária, a abertura de vagas foi maior para pessoas de 18 a 24 anos (46.426). Por grau de instrução, o melhor desempenho foi entre pessoas com o ensino médio completo (61.508).

Mais detalhes sobre o levantamento nos Estados e municípios podem ser encontrados na página do Programa de Disseminação das Estatísticas do Trabalho, do Ministério do Trabalho, em https://pdet.mte.gov.br/novo-caged.

Artigo anteriorExposição gratuita e interativa no Sesc Campinas destaca as descobertas do genial Pasteur
Próximo artigoDeic de Campinas detém homem que guardava mais de 300 quilos de maconha em sua casa